22 de nov de 2010

O conto de fadas de um mundo sem encanto

O anúncio do casamento de William, príncipe da Grã-Bretanha e Kate Middleton,  colega de tempos de estudante,  foi prontamente associado à uma história familiar semelhante e que teve ampla repercussão na mídia - o casamento do príncipes Charles e Diana, pais do noivo. A união dos pais de William foi pautado por ingredientes que mais se assemelhavam a um relacionamento de pop-stars: o namoro com uma ex-babá e professora, o noivado, o casamento televisionado para um bilhão de telespectadores pelo mundo, as juras de amor eterno acompanhadas com emoção pelos súditos e público em geral que torciam pela felicidade do casal. Diana era adorada por sua singeleza, tinha um apelo popular que incomodava de certa forma a família real, mas  juntamente com Charles formavam um simpático casal que tinha tudo para dar certo. 

Entretanto toda a simbologia de encanto foi se apagando com as crises do casal - Charles tinha um relacionamento paralelo  com Camila Parker, com quem se casou em 2005; este e outros escândalos foram amplamente divulgadas pela imprensa, especialmente pelos tablóides sensacionalistas. Essas crises foram minando a relação e o casamento não se sustentou; já em 1992 estavam separados e a união acabou oficialmente em 1996, um ano antes do acidente fatal com Diana em Paris.  Finalmente terminava, de forma inesperada, uma história de amor contemporâneo que poderia ter acontecido  com  qualquer casal, mas com um elemento que alimentava o imaginário do público e ao mesmo tempo desestruturava a relação - a hiper-exposição na mídia.

Vivemos numa sociedade iconoclasta (do grego eikon=imagem + klaein = quebrar), ou seja, uma sociedade que 'quebra', ataca idéias ou instituições quaisquer que sejam. Após os protestos estudantis de maio de 1968 na França, o mundo e suas instituições foram com mais frequência postas sob contestação, num mecanismo frenético que se repete numa velocidade surpreendente. O casamento, como uma dessas instituições contestadas, vem sendo reinterpretado de sua forma original secular, com a propagação de novos ideais de relacionamento sugeridos como sendo viáveis no mundo contemporâneo. Esses ideais de comportamento são difundidos por sociólogos, historiadores, profissionais da área da saúde como psicólogos e psiquiatras que, em suas análises, propõem uma releitura nas estruturas sociais mais elementares  a começar pela família. A decretação, por parte destes profissionais, do fim do amor romântico, do casamento 'sob o mesmo teto',   são vistos como algo possível e inevitável, visto que numa sociedade que preza a individualidade a níveis extremos como a atual, a felicidade somente se dá quando o indivíduo se autorrealiza plenamente, ou seja, sozinho. E para a divulgação desses ideais, os seus defensores contam com a mídia, grande aliada e incontestavelmente um dos grandes referenciais iconoclastas, que vive de reinventar de tempos em tempos novas estratégias e novos produtos sejam elas comerciais ou culturais para alimentar o público e o mercado publicitário.

Por mais que se afirme que há - e com certeza há -  uma expectativa coletiva para que William e Kate sejam bem sucedidos nessa nova fase de suas vidas, não há também como negar que, como parte de uma estrutura política-midiática, eles correm o risco de terem a imagem  e o futuro casamento abalados pela mídia. Assim como artistas que veem na imprensa uma aliada-inimiga dependendo da necessidade e foco de interesses de ambas as partes, os noivos certamente serão capas de muitas capas de jornais e revistas e terão suas imagens divulgadas em programas em matérias que irão desde atividades corriqueiras até especulações e rumores que fazem a alegria sinistra dos súditos e do público em geral. A monarquia britânica tem sido especialista em protagonizar os piores momentos na mídia. A família real sabe que depende desta estratégia de mão dupla: a mídia britânica a divulga com material farto para suas matérias e a família de Elizabeth II  necessita de publicidade para manter a imagem e resistir aos tempos modernos e não perder a legitimidade. É um sistema de contrários.  William e Kate podem, se quiserem e utilizarem de inteligência, ser um novo marco nesse sistema, não se expondo em excesso, demonstrando transparência, prudência  nas ações do dia-a-dia e não caindo no jogo da mídia  destruidora de ideais e instituições. Se fizerem isso, certamente serão ícones do ideal de amor eterno e um referencial para aqueles que ainda acreditam que a vida a dois é algo possível.


Fonte:

13 de nov de 2010

Monteiro Lobato é a cara do Brasil

Capa de "A Chave do Tamanho" de 1942,
livro de Monteiro Lobato (1882-1948)
Monteiro Lobato está em discussão. Não por suas campanhas a favor do petróleo ou polêmicas pessoais, mas por ter outra vez sua obra ligada às questões de racismo. O Conselho Nacional de Educação sugeriu ao Ministério da Educação a não distribuição do livro 'Caçadas de Pedrinho' por entender que a obra infantil tenha teor racista em certos trechos. O parecer foi redigido pela conselheira e professora Nilma Lino Gomes. Nesse debate houve acusações de 'porta-vozes' da oposição na mídia que esbravejaram alertando que estamos perto de um regime ditatorial onde a censura irá prevalecer. Houve também o clamor do pessoal do establishment com o já conhecido discurso do 'país cordial onde as diferenças são respeitadas' que adoram afirmar que não são racistas pois tem empregadas domésticas negras em casa e que elevador de serviço é um mal necessário (Sônia Travassos, professora da UFRJ disse que a censura do CNE é 'absurda', pois para ela 'a Tia Nastácia é querida por todos do Sítio, participa da vida social da família e tem espaço para expressar sua cultura').

A originalidade de Lobato em sua série de livros infantis ambientada no 'Sítio do Pica-Pau Amarelo' está em ir contra a corrente. Primeiro por ser pioneiro neste gênero ainda tão desprezado no Brasil. Segundo por ter entre seus personagens a 'causadora' da polêmica atual - Tia Nastácia, a empregada negra que inclusive foi protagonista de Lobato em 'Histórias de Tia Nastácia', livro onde ela conta histórias de vários lugares para as crianças do Sítio. Algo impensável, no país de Jorge Amado que em seu 'Capitães de Areia' elege Pedro Bala, o garoto loiro como líder do grupo de meninos infratores das ruas de Salvador.

Lobato viveu parte de sua vida quando o pensamento racista embasado em teorias científicas estava em alta, tendo esse pensamento justificado o ideal de superioridade racial. No Brasil após a destruição de Canudos na guerra de mesmo nome, o médico baiano Nina Rodrigues, estudioso das teorias racistas-científicas fez uma análise dos cérebros do líder Antônio Conselheiro e de alguns de seus seguidores para explicar o fanatismo e uma provável degeneração de raças, fato este narrado com ironia pelo jornalista Euclides da Cunha que acompanhou o desfecho da guerra no final do século 19. Esse pensamento de superioridade de raças difundiu-se por outras áreas, inclusive nas artes. A título de exemplo, temos a história de 'Tarzan', uma narrativa que tenta, difundir o ideal racista-científico: - um nobre inglês é abandonado na selva devido a morte de seus pais e é criado por macacos; mas mesmo na adversidade de um ambiente primitivo, tem a eugenia (melhoramento genético) a seu favor, levando para a selva a liderança e supremacia de sua raça. Nos quadrinhos, seguindo esta linha de pensamento, há a lenda do Fantasmaguardião branco que tem a missão de proteger e defender a selva.

Nesta atmosfera estava Lobato com sua Tia Nastácia protaganizando histórias de modo inédito para uma personagem negra. Evidente que a composição é estereotipada, pois o próprio Lobato foi influenciado por autores racistas. Porém, mesmo com essas influências, Lobato dá mostras de tentar buscar a identidade escondida num ambien
te de não aceitação de nossa miscigenação, na eugenia racial proposta no incentivo imigratório europeu do séculos 19 e 20. Além da protagonista negra Tia Nastácia, temos um marco desta busca do autor - o conto Negrinha, que dá nome a um livro homônimo. Nele Lobato narra de forma comovente, toda a tragetória de uma garotinha negra explorada por uma senhora religiosamente hipócrita, mas que não tinha compaixão. Negrinha trabalhava exaustivamente na casa da 'sinhá' sem direito a ser criança. Quando as netas da patroa aparecem com uma boneca, o brinquedo nunca visto pela protagonista a faz sonhar com um mundo fantasioso a qual nunca teve direito. A tragédia final e prevista devido aos maus tratos sofridos por Negrinha representa um alerta do autor da exploração e das injustiças sofridas pelos negros no país, um tema tão contemporâneo.

Monteiro Lobato é um reflexo do contraditório que nos guia desde a fundação do Brasil até hoje: o país tido como especial de uma população gentil e cordial mas que protagoniza uma sociedade
com os maiores índices de desrespeito aos direitos humanos. Uma civilização onde judeus e árabes podem conversar tranquilamente pela rua, mas que ainda pratica linchamentos; uma nação entre as mais ricas do mundo, mas que tem índices de desenvolvimento humano semelhantes a países mais que subdesenvolvidos. No pais das contradições é impossível tentar entender Lobato sem uma auto-crítica, coisa tão rara por aqui. Nem a retirada de circulação do livro "Caçadas de Pedrinho' na rede pública (ou qualquer outro que seja), tampouco sua exaltação sem ressalvas alegando nossa demagógica 'democracia racial' são necessárias. O caminho a seguir é o mesmo aberto pelo escritor de Taubaté - de tentar compreender a nós mesmos, difundindo idéias para que alcancemos as respostas, revendo conceitos, questionando interesses menores, mesmo para isso tenhamos que correr riscos pelo atrevimento de irmos contra um sistema perverso e opressor.

6 de nov de 2010

Uma mulher para arrumar a casa

A eleição da primeira mulher presidente da República é algo notável, principalmente quando estamos adiante de países desenvolvidos como Estados Unidos, França e outros da Europa que ainda não tiveram chefes de Estado mulheres. E é  mais notável ainda quando mesmo antes da sua posse, o nome de Dilma Rousseff já criou frisson entre as feministas, sexistas e a turma do 'exótico por natureza' que com seus discursos exaltados, suas brados históricos, suas frases lapidares nos deixam constrangidos e desmontam o ideal de progressismo que a eleição de uma mulher presidente pode trazer.

As feministas em particular, que pareciam sossegadas com seus textos contra o patriarcado, contra o serviço doméstico, contra os salários maiores dos homens em relação aos das mulheres, a favor do domínio irrestrito do corpo,  ressurgiram do sono profundo. Dilma, numa situação inesperada,  foi vítima da patrulha ideológica de suas próprias companheiras de partido. Numa plenária nacional de mulheres do PT uma de suas 'companheiras', Sueli de Oliveira, saiu-se com a observação: "Quando Dilma diz: “Nós, mulheres, nascemos com o sentimento de cuidar, amparar e proteger. Somos imbatíveis na defesa de nossos filhos e de nossa família”, valorizando estas funções como grande qualidade das mulheres, ela colabora com os valores do patriarcado e dos fundamentalistas na defesa de que lugar de mulher é na casa, no lar e na família".

Este é um exemplo da originalidade do pensamento feminista contemporâneo. E parece que vem mais por aí. Mas deve-se ressaltar que por mais que feministas e congêneres esperneiem, difundindo uma simbologia sexista nesta disputa eleitoral na qual Dilma saiu vitoriosa, houve nessa disputa algo inverso ao ideal daquelas que exigem de modo precário, o igualitarismo de gêneros. Basta observar a trajetória política recente de Dilma Rousseff - chamada para assumir a Chefia da Casa Civil num período de crise, criou uma relação de confiança com o presidente Lula e assim se estabeleceu a estrutura para uma possível sucessão ao fim do mandato do presidente-operário. Houve dentro desse processo muita crítica míope, mais por causa de incompetência da oposição do que por limitações da ministra preferida de Lula. Claro que limitações, Dilma tem, mas tem se empenhado e os resultados são visíveis: um melhor diálogo e uma melhor desenvoltura - apesar de ainda pecar nos jargões econômicos - e o sucesso na reorganização da imagem de 'durona' que foi abrandada.

Porém o mais importante é a simbologia de harmonização entre os dois sexos vista na relação entre Lula e Dilma; é impossível não notar nos discursos a cumplicidade entre os dois, algo até mesmo raro entre relações matrimoniais. A troca de olhares que mostravam confiança, a sintonia entre eles, o respeito mútuo. Lula confiou em Dilma e ela confiou nele, sem melindres ou egocentrismos. E para isso, não foi preciso o hasteamento de bandeiras narcisistas ou o discurso preconceituoso-sem-querer-ser do tipo 'ela trará um toque de sensibilidade ao governo...' (isso faz lembrar da ex-prefeita e ícone feminista Marta Suplicy e seu Projeto Belezura que plantava coqueiros em bairros chiques, enquanto os bairros não nobres afundavam nas enchentes). Todo este processo talvez provoque incômodo na turma dos ideais fumegantes, das burocratas do pensamento feminista - professoras de sociologia e de humanas, diretoras de ONGs que mamam gostosas verbas públicas para vislumbrar o vazio e descrevê-lo como quem diz algo substancialmente importante.

Enfim, parece que Dilma não fez e não deverá fazer coro com 'as companheiras'. Dilma talvez não aguentasse dez minutos de conversa com Betty Friedan (a papisa do feminismo), acharia a messiânica dona de casa que livrou as mulheres do jugo machista uma desvairada a procura de platéia. A futura presidente pediria licença da conversa, indo fazer o que mais sabe fazer - tratar de assuntos de que domina, dando o melhor de si, sem preocupar-se com bordões e panfletagens que não indicam um caminho, uma saída. Iria mostrar serviço, honrar o voto de confiança de mulheres, homens, jovens, gente que sente no dia-a-dia a necessidade de se construir um país melhor, distribuir a renda, observar os gastos. Resumindo, pôr a casa em ordem. Esperamos que a futura presidente utilize seus conhecimentos da área econômica e saiba cuidar do orçamento 'da casa de quase  190 milhões de habitantes', para desespero das feministas, mais preocupadas com o discurso 'socialista-Channel' e a retórica de degradação das relações de gênero.


Fonte:

31 de out de 2010

Um épico do século 21

Desconsiderando o fato de ter sido explorado em alguns momentos de modo sensacionalista pela mídia e  demagógico por políticos locais, o episódio envolvendo os 33 mineiros  que ficaram 70 dias soterrados na mina de Copíapó no Chile trouxe uma simbologia que há tempos não se percebe no mundo contemporâneo - a simbologia épica.

A narrativa épica (do grego epos = palavra, história) foi utilizada em textos que exaltavam as grandezas e coragem de um povo, como por exemplo na Ilíada e na Odisséia de Homero, que se referem aos gregos. Já no século 16 da nossa era Luis Vaz de Camões compôs Os Lusíadas onde mostra a bravura do povo português cruzando mares e descobrindo novas terras. Porém com a modernidade o épico perdeu a razão de existir por estar associado a um grupo, um povo como todo sem distinção. Atualmente, após termos uma nova visão política e social que é respaldada nas liberdades individuais, o épico perdeu força ficando apenas na recordação dos tempos antigos. 

Num tempo onde as individualidades são exaltadas para que se assegurem os direitos de todos indistintamente, há distorções sobre essa visão humanista tão importante. Uma distorção é na propagação do individualismo como algo bom para um grupo, uma sociedade, um país. Culturalmente o individualismo pode ser notado em certos filmes, romances, na dramaturgia televisiva, na música. Até mesmo na política há determinados grupos que apregoam o individualismo de modo indireto, como por exemplo no pensamento neoliberal, onde o estado deve existir em função do indivíduo e não da sociedade.

Daí esse caos contemporâneo que notamos em todos os segmentos da sociedade. A individualidade transformada em individualismo faz com que percamos cada vez mais a noção de que em toda sociedade a força motriz que a impulsiona é o bem comum. Não há individualidade que resista quando as leis são desrespeitadas em benefício de um ou outro; ou quando um ecossistema é poluído, quando os direitos do cidadão são negligenciados, quando a corrupção é tida como normal num país onde os indivíduos não tem acesso a muitos serviços negados pelo governo cada vez mais adepto do 'estado individualista (ou neoliberal).

A simbologia dos mineiros chilenos (que poderiam ser brasileiros ou americanos) sendo resgatados da mina, num parto de um novo começo é válida quando percebemos que não somos importantes individualmente quando não pensamos no outro, no grupo, na sociedade. Ali provavelmente não haveria lugar para individualismos, o mais importante era que cada um cooperasse para que o bem comum fosse atingido. Cada qual com sua história de vida, suas metas, sua visão de mundo, mas com suas prioridades voltadas para o bem comum. Os colegas na superfície esforçando-se dia e noite para que a operação de resgate saísse perfeita. As famílias torcendo pelos seus entes e pelos colegas. A população acompanhando o episódio épico contemporâneo com heróis de verdade e coragem real, muitas vezes mal remunerados e sem reconhecimento pelo trabalho que beneficia a sociedade. Na individualidade dos mineiros houve o senso de coletividade para que todos atingissem o objetivo de retornar à superfície e à vida. Foi uma histórica épica que nos faz refletir sobre o ditado que explica nosso individualismo: 'se cada um fizer a sua parte, o mundo será melhor'. O certo dever ser: 'se cada um fizer a sua parte pensando em todos, o mundo será melhor'. E para isso, não é preciso ser um herói dos textos ou dos filmes épicos; basta pensar e agir de modo solidário.


30 de ago de 2010

A hora e a vez dos políticos nerd


Segundo o dicionário Merriam-Webster o significado da palavra nerd é: "Uma pessoa desajeitada, sem atrativos ou socialmente deslocada; uma pessoa cegamente devotada a objetivos intelectuais ou acadêmicos". Resumindo, é um estereótipo de pessoas dedicadas de modo obssessivo a determinado assunto, geralmente associado à questões tecnológicas. É um termo fortemente associado à sociedade norte-americana, favorecido pelo ambiente favorável à criatividade e à inventividade. Um personagem simbólico do estereótipo nerd é Thomas Blanchard, jovem americano que viveu no século 19  e que ficou rico inventando equipamentos para produção em série, desde peças para armas até ferramentas, além de ter patenteado vários inventos. Também representam este estereótipo Bill Gates, que através de seus programas operacionais, popularizou o uso do computador, tornando - o de fácil operação; e Steve Jobs, fundador da Apple, uma das gigantes na fabricação de computadores pessoais.

Mais associado à questões técnicas e práticas, o nerd não circularia em um primeiro momento da vida política. Num país de herança latina como o nosso, onde os grandes oradores tem boas possibilidades de ascenção e liderança política, sobra pouco espaço para técnicos e pessoas especializadas em várias áreas. Apenas em setores especializados da administração pública, como secretarias com perfil técnico e tecnológico e áreas estratégicas parecem poder abrigar pessoas com este perfil profissional. Há um consenso geral de que a política se faz apenas por políticos de palanque com retórica hipnotizante, sedutora; para nós não existe política de bastidores, a administração seria levada apenas pelo eleito e suas intuições.Esquecemos que política não se faz apenas com retórica, mas com competência e qualidade também. 

Nessas eleições, especialmente para presidente, há uma situação especial. Os três principais candidatos são políticos que possuem um perfil técnico, que poderiam se classificados como políticos nerd. Dilma Roussef, economista que nunca exerceu cargo eletivo, é conhecida  nos  bastidores como eficiente secretária de estado. Tem a complexa missão de seguir o legado de seu padrinho político, o presidente Lula - o que não será fácil, visto que Dilma é conhecida por ser técnica demais e ter inabilidade em algumas situações onde o improviso do discurso é necessário para a exposição de idéias. Apesar disso, ela demonstra que tem se aperfeiçoado  na tentativa de amenizar a imagem de política desajeitada - a imagem de Dilma foi inclusive repaginada, ela abandonou os óculos e aposta em penteados novos, além de ter melhorado na argumentação quando confrontada pelos adversários políticos.

Outro candidato desta leva é José Serra, também economista e um  político com mais tempo de estrada. Ele é conhecido pela facilidade no trato com números. Serra circula entre o perfil técnico e político, mas recentemente devido a falhas estratégicas em sua candidatura, o seu lado técnico (ou nerd) tem sido mais destacado. Os adversários o acusam de ser inábil no contato com a população, de ser personalista demais, arrogante e de não gostar de trabalhar em equipe. Serra, se fosse avaliado pelo lado da experiência política, talvez seria vitorioso no embate com Dilma. Mas como se destacar numa disputa onde a adversária é apadrinhada por um presidente que é ícone do brasileiro comum, por se enxergar nele? - um ex-sindicalista que vencendo preconceitos históricos se tornou líder de uma país com uma oratória cativante e simpatia popular e que na sua administração tem mostrado números expressivos de desenvolvimento, sendo este desenvolvimento reconhecido até no exterior? E ainda mais tendo essa candidata participado desse processo de desenvolvimento?

Também na corrida presidencial há uma candidata nerd com perfil diferenciado: Marina Silva, historiadora, que de origem simples e vida sofrida (aprendeu a ler aos doze anos), tornou-se lider de sua comunidade e pelo estudo conseguiu reconhecimento pessoal e político. Ela poderia ser classificada como uma eco-nerd, pois tem se empenhado no discurso ambientalista e defesa dos trabalhadores que vivem dos recursos naturais principalmente na amazônia. Finalizando, temos outro candidato nerd nas eleições deste ano, só que concorrendo para o governo de São Paulo: o ex-governador e candidato Geraldo Alckmin. Alckmin pode ser encaixado na lista de político-nerd: é adepto da administração técnica, não é um excelente orador, apesar de ser político de carreira. Quando foi vice-governador ao lado de Mário Covas, se diferenciava deste, um político tradicional de posições e discursos inflamados. Um jornalista paulista o apelidou de 'picolé de chuchu' devido a sua forma diferenciada de praticar política, sem grandes discursos e sem utilizar o personalismo que é algo tão característico da política nacional.

Seriam os políticos-nerd um novo horizonte na administração brasileira? Talvez sim, mas eles certamente se adequarão a esses novos tempos, transitando entre o lado técnico de administração pública e entre o lado político propriamente dito. São possivelmente o reflexo de uma nova era, onde lutamos para buscar o equilíbrio entre a administração da técnica - tecnologia e o lado humano. E o lado humano jamais pode  ser ofuscado, seja pela valorização exagerada do tecnicismo (que no setor público vira tecnoburocracia) ou pelo culto cego à  retórica inflamada, às vezes demagógica e com resultados sociais desatrosos. Tendendo para qualquer um dos lados, quem perde somos nós eleitores e cidadãos, que pouco nos importamos se o candidato eleito tem o perfil tradicional ou nerd  (técnico), mas apenas que sejam competentes e honrem nosso voto de confiança.

Fontes
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u427946.shtml

15 de ago de 2010

Maitê, Dilma e os 'jeitinhos'

Maitê Proença em recente entrevista no site do Estadão tratou de vários assuntos envolvendo sua carreira, sua vida familiar, projetos e  política. Em determinado trecho da entrevista Maitê disse que o machismo brasileiro poderia salvar o país da eleição de  Dilma Rousseff  para a presidência da república. Esta observação - considerada retrógrada por envolver um problema que é a raiz de problemas sociais históricos no Brasil - causou indignação em vários lugares, principalmente em blogs de esquerda como o de Paulo Henrique Amorim.

Interessante notar que apesar de toda esta polêmica da fala da atriz, que foi oportunamente usada de modo pejorativo pelos opositores dos tucanos para denunciar uma suposta apologia à violência doméstica, ao estupro, ao assédio sexual e moral, males que afligem não só mulheres em si, mas toda a sociedade  e que tem raiz no machismo, essa denúncia, apóia-se na demagogia partidária que nos ronda atualmente, este clima de torcida que está mais forte do que nunca nestas eleições, inclusive na mídia.

É interessante ainda o fato  de Maitê apoiar Serra  e de receber pensão permanente por morte dos pais que eram  funcionários públicos de São Paulo, mesmo sendo casada. Isso porque, como se sabe, o partido dos tucanos não tem afeição pelos benefícios sociais conquistados, usando o argumento do 'estado mínimo' em tudo: na saúde, na educação, nos transportes (com pedágios), na segurança,  na previdência. FHC em seus tempos áureos  de presidente afimou que os aposentados 'jovens' eram 'vagabundos', num discurso onde defendia a reforma da previdência.

Mas voltando ao tema demagogia de ambos os lados - da esquerda que afirmou coisas supostas na fala de Maitê,  e da direita que quer apenas beneficiar o  lado de  cima da pirâmide social (Maitê com sua pensão de R$ 13.000,00 é certamente um ícone direitista), queria focar na posição demagógica que é geralmente vista  entre todos nós, sejamos de direita, esquerda ou centro. Maitê afirmou que o machismo poderia 'salvar' o país de eleger Dilma e possivelmente quando fez essa afimação não pretendia dizer que homens brutos ou mulheres alienadas que admitem que o homem 'pode fazer o que quiser com elas' iriam até as urnas para impedir uma possivel eleição da candidata petista. Evidente que ela não teve essa intenção. Entretanto a fala conservadora da atriz, talvez traga um ranço que tem nos ajudado em situações onde não vemos alternativas a curto prazo  e que alimentam o 'jeitinho brasileiro' ou o 'jeitinho de pensar brasileiro' para situações menos desgastantes possíveis.

Uma situação como exemplo. Quantos já não presenciaram na  mídia, crimes hediondos de violência sexual contra mulheres ou crianças e quando na captura do criminoso há um coro que diz: "Que bom, agora ele será 'donzela' na cadeia" - isso devido a um 'código de honra' entre presidiários, que não aceita estupradores entre eles e que pune com violência condenados por crimes sexuais.  E quando alguém se posiciona desfavorável a  esse 'código de honra da prisão' é visto como 'imoral', 'condescendente com maníacos', etc. Isso seria uma variante do 'jeitinho brasileiro', onde se exalta a violência para conter a violência, onde se deseja corrigir  a estupidez com doses reforçadas do mesmo remédio.

Essa variante da exaltação do 'jeitinho brasileiro' (a crença de que se a lei não ajuda, vamos criar uma 'lei paralela') também é notada em situações onde uma pessoa inocente é morta por engano por  policiais mercenários.  Já ouvi jornalistas de grandes veículos de comunicação de São Paulo dizerem em casos assim que 'foi apenas um caso isolado', como se a perda de uma vida de um cidadão correto não fosse nada, perante à simbologia negativa que isso causa na instituição polícial.  Esta banalização da 'violência contra a violência' é antiga no país, que o diga a Scuderie Le coq (também chamado de Esquadrão da Morte), famoso grupo que atuava à margem da lei no Rio dos anos 1960 e 1970 com ampla aprovação popular de seu caráter bandoleiro. 

Tanto o discurso de Maitê onde um 'mal'  - machismo - atacaria outro 'mal' - para Maitê,  Dilma - quanto o da exaltação da 'lei' marginal - refletem uma dura realidade. A de que não aprendemos ainda que não se constrói  justiça usando recursos condenáveis para atingir um objetivo, ou vencer um problema. Pensar somente em soluções imediatistas pode ser 'bom' em determinado momento, mas as consequências podem ser graves. Seja na vida pessoal ou pública, o jeitinho inocente de agora certamente pode trazer um  problema difícil de resolver na frente. E ficará mais caro do que se dispensarmos tempo e energia para resolvê-lo agora de forma correta , dentro da lei e  visando o bem comum.


Fontes:
http://www2.uol.com.br/JC/_1998/1205/br1205n.htm

25 de jul de 2010

A educação que não é levada a sério

O Brasil não leva a educação a sério. Esta é uma frase que soa como uma redundância, a qual  todo mundo reconhece. Mas não sabemos o motivo de a termos como slogan de nossa falta de incompetência para difundir uma educação universal, que englobe a todos os cidadãos sem distinção, visando um país mais justo e próspero, não apenas no sentido econômico, mas de desenvolvimento humano e social. A notícia de que a Editora Abril comprou a rede de ensino Anglo passou despercebida pela maioria da população, que talvez desconheça a simbologia que esta transação representa. Estamos num país livre e ninguém quer causar empecilhos à livre iniciativa e isso abraça também no setor educacional, lucrativo por sinal. Entretanto esta simbologia vai além de uma simples transação.

A Abril edita a revista Veja, que frequentemente em seus textos, tanto em matérias quanto em artigos de 'especialistas' como Cláudio de Moura Castro e Gustavo Ioschpe, discute a educação no país. Coloquei especialistas entre aspas não por menosprezar alguma contribuição que pudese ser dada pelos colunistas de Veja à educação, mas por serem eles adeptos do tecnicismo pedagógico, tão em voga nas escolas particulares com suas apostilas e que tem encontrado espaço também no ensino público, principalmente em escolas sob administração do PSDB.

Moura Castro e Ioschpe veem a educação apenas sob o aspecto custo-benefício. Em seus artigos é comum a crítica maciça  aos professores do ensino público, que são classificados pelos ilustres colunistas como coorporativistas, adeptos de práticas que são ultrapassadas ou ainda desfavoráveis à meritocracia (num país onde as pessoas pobres são classificadas como 'menos favorecidas', soa estranho o uso da palavra 'meritocracia', mas isso não vem ao caso agora). São lugares comuns em suas análises, ideias como 'somente quando os salários melhorarem, os melhores professores estarão na educação pública', ou 'a escola pública somente melhorará quando a classe-média voltar a estudar nela'. Peguemos estas duas ideias comuns nos artigos de Veja (e de outros veículos como a Folha de S Paulo que tem outro 'especialista' - Gilberto Dimenstein) para tentar extrair uma explicação.

A idéia de melhores salários parece ótima de início. Mas não basta apenas isso, é necessário condições de trabalho, equipamentos adequados, livros, recursos que pelo menos indiquem uma direção rumo a uma qualidade no ensino público. Não basta aumentar o salário numa medida imediatista para que se tenha melhora nos serviços educacionais públicos; a educação se faz paulatinamente, num esforço conjunto entre sociedade e governos visando resultados a médio e longo prazos.Se apenas salários fossem atrativos, não haveria evasão de professores  em redes onde os salários são os maiores atrativos para uma carreira, aparentemente, promissora.  E levando a questão salarial para outras áreas do serviço público um pouco mais atrativas nos salários, tais como o serviço judiciário por exemplo, teríamos  neste setor desempenho iguais aos de países de primeiro mundo.

Quanto à ideia de retorno da classe-média à escola pública, essa parece ser uma utopia, devido ao nosso passado histórico e social excludente. Frequentemente se ouve de ex-alunos de escolas públicas, que as frequentaram há 50 ou 60 anos, que estas escolas eram excelentes. Elas poderiam em alguns aspectos serem excelentes, porém excludentes, visto que apenas a 'burguesia' tinha condições de frequentá-las - os poucos  filhos da classe trabalhadora, se quisessem frenquentá-las deveriam se submeter ao padrão escolar vigente. Não eram levados em conta por esta escola 'excelente' os desníveis sociais encontrados na sociedade brasileira, a origem dos alunos, o seu conhecimento de mundo, quais seus anseios. Era uma escola elitizada, para uma classe que não aceitava a diversidade em seu ambiente. E este pensamento perdura no Brasil, pois há o pensamento enraizado  entre nós de que tudo que é público, é 'coisa para pobre'.

Essas ideias, tão difundidas ultimamente por colunistas 'especializados',  sempre estiveram presentes no meio educacional brasileiro. O Brasil é um país que não privilegia a educação e a cultura como estimuladores do crescimento e desenvolvimento humano. Aqui a educação sempre foi vista como 'lustro', 'erudição',  a exaltação do saber 'enciclopédico' que não transforma a realidade, apenas reproduz modelos impostos pelos detentores do poder. Mesmo com a mobilidade social atual e diminuição das desigualdades, parece que este pensamento está mais forte do que nunca, com seus divulgadores na mídia e  na burocracia do Estado - vários donos de escolas particulares fazem parte de conselhos de educação pelo Brasil afora, definindo critérios para escolas em geral. Um caso notável de relação espúria entre interesses particulares e públicos na educação é o do ex-secretário de educação de São Paulo, Paulo Renato de Souza, que presta serviços de consultoria educacional a grupos editoriais multinacionais com interesses em licitações públicas. A administração da educação no Brasil parece estar se tornando um suculento prato, onde a promiscuidade governamental reina, setores da mídia visando interesses comerciais próprios manipulam a verdade e poucos apenas saem lucrando, em prejuízo de uma nação que ainda não acordou para a importância primordial da educação em suas vidas.


Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/not_27129.htm

19 de jul de 2010

Uma Copa de surpresas


O escritor  português Eça de Queiroz disse em um de seus textos que o negro africano era o único que  podia sorrir abertamente. Isso, porque, na visão do escritor do fim do século 19, o desenvolvimento havia tornado o homem cético e por consequência triste, e somente alguém, como o habitante da África - continente colonizado e bem afastado da ciência e do progresso - poderia sorrir. Parece que Eça fez essa observação com o intuíto velado de criticar o andamento cientificista da Europa de então, que influenciava todos os setores da sociedade, contrapondo este ideal à capacidade do habitante da África de surpreender-se, sorrir, diferente do homem europeu. Essa idéia de associarmos simplicidade à felicidade e harmonia perdura até hoje, mas é interessante notar que na época em que este texto referido foi escrito, a ciência dava seus primeiros passos, abrindo portas para o século do avanço científico e tecnolígico - o século 20.

Passado mais de cem anos da afirmação queiroziana, o continente negro abrigou uma Copa do  Mundo de Futebol, num país com um passado de colonização européia, escravidão negra, lutas pela liberdade, prisões. Um país que há vinte anos atrás elegia seu primeiro presidente negro, um homem que lutou junto com uma nação contra a opressão de um pensamento segregacionista - Nelson Mandela, ganhador do Nobel da Paz. Ele como presidente e líder, lançou a idéia de Nação do Arco-Íris, uma terra que abraçaria diferentes etnias e culturas, num ideal agregador, que apagasse da memória, os séculos de opressão. Este ideal ainda não foi plenamente alcançado, pois a África do Sul ainda traz traços dos anos do apartheid - a renda é mal distribuída, ficando a maioria da riqueza ainda nas mãos dos brancos; a violência é mais visível nos bairros de maioria negra, que também sofre a precariedade nos serviços básicos como educação e saúde. Entretanto o ideal de Mandela e da população oprimida continua em busca de soluções ao problema secular do racismo.

A Copa da África do Sul foi uma das mais surpreendentes dos últimos tempos. Seleções campeãs - Itália e França tidas como favoritas foram eliminadas na primeira fase, outras que nunca tiveram um histórico relevante de participações em Copas do Mundo, como o Paraguai, chegaram a surpreender indo até as quartas de final. Tivemos ainda surpresas individuais como por exemplo Diego Maradona, que aparentemente recuperado da fase obscura como usuário de drogas, apresentou-se como um show-man, comandando seus jogadores de modo ímpar -  além de ter sido muito mais diplomático se comparado com o técnico Dunga. E a seleção do melhor futebol do mundo,  que já lançou tantos talentos para o esporte, deu adeus ao torneio nas quartas de final, perdendo para a Holanda. Incompetência do técnico, dos jogadores que não jogaram com garra, não honrando a camisa verde-amarela? Culpa dos cartolas, da imprensa? Não se sabe, pouco se pode afirmar ainda sobre esta Copa de surpresas, o que significou para o esporte e para o povo sul-africano e para a África em geral.

Mas podemos, chegar a algumas constatações. A primeira é que nas estatísticas existem variáveis, o que foi comprovado com eliminações de seleções favoritas e classificação de seleções desacreditadas - quem acreditaria que a Espanha venceria a campeã Alemanha? A segunda constatação é que a tecnologia não anula o lado humano do empreendimento e vice-versa. Após lances duvidosos não observados por árbitros nesta copa, a FIFA começa a estudar a possibilidade de utilização de recursos tecnológicos para auxiliar no andamento das partidas. Já não era sem tempo. Existe um argumento falacioso de que o interessante no futebol é a polêmica. Até certo ponto é, mas deixa de ser interessante quando um lance não é observado pelo árbitro e este lance favorece uma equipe em detrimento de outra. E se o futebol utilizar os recursos eletrônicos, não deixará de ser 'apaixonante' e 'emocionante'. Um  exemplo disso é o atletismo que é um esporte que utiliza alguns recursos para avaliação da performance individual, pois o olho humano seria incapaz de medir centésimos de segundos de diferença entre os participantes de uma prova. Assim também, outros esportes usam sensores e outros recursos, como a natação. E a última constatação é a de que , se a seleção do Brasil quiser continuar surpreendendo o país e  o  mundo, deve fazê-lo a base de muito esforço e dedicação, não confiando em números e estatísticas apenas. Porque, assim como aconteceu na África do Sul  de Mandela, somente surpreenderam aqueles que não foram surpreendidos.

6 de jun de 2010

Abaixo a política bossa-nova


Novas eleições. Novas promessas, novos planos, novos projetos; certamente somente alguns sairão dos discursos inflamados e do papel timbrado. Neste momento em que todos respiramos de modo incomum (se tratando de Brasil) esta atmosfera de cidadania, de coletividade, de zelo pelo que é público precisamos ter em mente que a participação política nunca acaba, nem é uma festa ocorrida de dois em dois anos, apenas. A política transpassa a esfera do jogo do poder, ela está inserida em gestos e ações que, a primeira vista, não demonstram o mínimo elo com os destinos do país - por consequência,  com nossos próprios destinos. A verdadeira política não combina com contemplação, nem com passividade.

A vida política é de todos - dos eleitos democraticamente para cargos executivos e legislativos ou dos cidadãos que não são filiados a nenhum partido político. A vida política está no exercício da cidadania (palavra tão dita, mas tão pouco praticada), na busca por soluções para o bem comum. Participar da vida política é exigir dos nossos representantes que o dinheiro público seja gerido de modo racional, evitando-se desperdícios e utopias que esvaziam os cofres e trazem injustiças para a maioria da população. Devemos pensar que a política, apesar de repetidamente ter sido instrumento de autossatisfação de alguns que detem currais eleitorais há décadas, é o instrumento ideal para que tenhamos uma sociedade mais justa e integrada.

A vida política não é sectária, apesar da pluralidade de partidos. Esta pluralidade é a representação de que o ideal político não pode ser aliado à individualidade. É um engano o pensamento como  aquele do cidadão que diz que não quer saber de política, pois tem muito  o que fazer e não tem tempo para tal 'excentricidade'. Ele pode não ter uma vida política eletiva ou militante, mas tem uma vida política - em seu cotidiano, por meio de atitudes, pelo meio de ações que visam o bem estar coletivo. Se o serviço de coleta de lixo, por exemplo é deficiente, é dever do estado torná-lo eficiente; mas para isso o cidadão deve também ter o dever de cobrar um serviço bom. Daí podemos concluir que não há direitos sem deveres na esfera da vida política.

O Brasil tem passado por bons momentos de crescimento e prosperidade, o que não é suficiente. Ainda as injustiças de séculos permeiam a vida cotidiana, algumas mais expostas, outras menos. A violência contra mulheres e crianças ainda é alta e a impunidade a favor de seus agressores também. A miséria, apesar de ter diminuído, tem ainda  força nas grandes cidades e também em bolsões de pobreza pelo interior. A vida nas cidades grandes está se tornando cada vez mais impraticável com seu trânsito caótico e falta de espírito cidadão; já no interior são crescentes os números da violência. A cada dia que passa estamos nos aquartelando em residências falsamente protegidas. A educação ainda é um privilégio, assim como atendimento médico digno. Estes são apenas alguns dos problemas que atingem a todos - se bem que nem todos os cidadãos, inclusive aqueles que deveriam ser considerados 'esclarecidos' percebem. Para saná-los não existem fórmulas prontas, somente com esforço coletivo, com uma mentalidade política poderemos vislumbrar algo melhor. A democracia tem um preço, e o preço é a vigilância, mas a vigilância do dia-a-dia, do cidadão que sabe de seus direitos e deveres, que não se ilude com discursos e que sabe que é componente indispensável para a construção de uma sociedade mais equalitária.


25 de abr de 2010

O sutiã e a sustentabilidade

Há alguns anos atrás a televisão brasileira tinha na publicidade veiculada nos intervalos de seus programas um teor de criatividade muito mais eficiente do que o atual. Poderia haver menos recursos tecnológicos para filmagens ou ainda poucos efeitos especiais disponíveis numa época pré-internet. Mas mesmo assim os comerciais dialogavam com o telespectador de modo único, fazendo parte até mesmo da cultura nacional. Inúmeros comerciais daqueles tempos com seus slogans e jingles ficaram na memória dos telespectadores-consumidores de produtos e serviços veiculados. 

A publicidade valia-se de slogans criativos e marcantes que podiam ser notados em frases como 'bonita camisa, Fernandinho', passando pelo anti-caspa 'parece mas não é', ou o bancário 'o tempo passa, o tempo voa'. Somado a isso, havia um repertório de personagens - sim, a publicidade teve em momentos passados uma característica narrativa - que perduraram por anos e ainda são citados por aí. Havia o detetive do aditivo automotivo que procurava a 'gangue' de malfeitores que 'danificavam o motor do carro', num ótimo exercício de personificação. Também havia o 'comercial dos mamíferos' com crianças representando filhotes de mamíferos - um clássico da publicidade nacional. E finalizando temos o internacionalmente premiado 'comercial do primeiro sutiã' onde a protagonista - também conhecida como 'a garota do primeiro sutiã' representava a fase de transição para a idade adulta de inúmeras adolescentes, numa peça publicitária que ficou marcada pelo teor poético e singelo, mesmo numa época já de costumes liberais.

Entretanto os tempos são outros, os comerciais não tem mais jingles criativos, personagens, ou slogans que adentrem no dia a dia do idioma. Agora existe uma estagnação na criatividade, onde poderíamos citar os bancos e suas mensagens de 'sustentabilidade' que de certa maneira são insustentáveis, bastando observar as filas enormes nas agências com um consequente aumento no consumo de ar condicionado, não condizendo com as frases 'nós nos importamos com o meio ambiente'. O mesmo vale para a indústria automobilística que, sem nenhum constrangimento toma o discurso ambientalista em suas propagandas - basta lançar um carro com o selo 'eco' e a empresa se tornará 'amiga da natureza'. Isso não citando as propagandas com animais silvestres correndo ao lado dos carros ou, mais insensato ainda, carros urbanos transitando em local improváveis, tais como regiões montanhosas, riachos, trilhas. 

Existem inúmeros outros aspectos que facilmente são percebidos num comparativo entre a propaganda de tempos não tão distantes com a contemporânea. Nem na parte musical há cuidado, não existem mais canções bem elaboradas, pega-se uma música (internacional principalmente) e em trinta segundos tenta-se vender produtos e serviços com pinceladas de discursos esquisitos. Não há mais personagens consistentes em peças publicitárias. Não há mais espaço para a 'garota do primeiro sutiã' e a descoberta do novo mundo feminino representado pelo acessório que representa como poucos a feminilidade. Há apenas a pseudo-sustentabilidade em serviços e produtos e uma feminilidade forçada, que não reflete o caráter da mulher de modo real. Não que eu despreze o pensamento ecológico, mas penso que havia um aspecto duradouro nas mensagens publicitárias de antes. Trocaram o sutiã pela sustentabilidade falsa. E entre os dois, fico com o primeiro.

Fontes:

11 de abr de 2010

Massas, cavalos e Eliane Cantanhêde


João Batista de Oliveira Figueiredo (1918-1999), último presidente durante o regime militar implantado em Abril de 1964, disse certa vez que preferia cheiro de cavalo ao cheiro do povo. Esta frase foi tomada de assalto pela mídia e muito utilizada pelos adversários da 'redentora'. Não se sabe o contexto real em que foi dita - fala-se que foi uma resposta à pergunta de uma jornalista ao então presidente: 'O senhor gosta do cheiro do povo?'. Daí a resposta referindo-se aos cavalos. Figueiredo assumia publicamente esta imagem truculenta, anti-diplomática, obtusa. Certa vez, ele se recusou a comer cérebro de macacos num jantar em visita oficial à China -  depois  se justificou dizendo: "Eu já sou um macaco, porque iria comer aquilo?' Quando saiu da presidencia pediu para que esquecessem dele. Parece que foi atendido, mas suas gafes vez por outra encontram ressonâncias em discursos, geralmente ligados setores da  direita brasileira, esta direita que está cada vez mais reacionária.

Eliane Cantanhêde, colunista da Folha de S. Paulo retratou bem esta ressonância vista periodicamente, principalmente na imprensa. As gafes 'figueiredianas' puderam ser relembradas na cobertura do lançamento da candidatura de José Serra à Presidência da República feita pela jornalista. Num vídeo do site Folha Online , Cantanhêde dá uma aula de jornalismo-tietagem, numa cobertura onde não esconde o entusiasmo por estar cobrindo o importante evento. Sem dúvida, foi importante. Entretanto a colunista da Folha deixa mostrar algo além do entusiasmo profissional-pessoal até certo ponto justificável, dependendo da ótica do observador. Este 'algo' desabonador é o ressurgimento do discurso de preconceito de classe, estratificador, recorrente em discursos daqueles que são contrários ao bem estar coletivo por meio de políticas estatais que beneficiem a todos, indistintamente. Um velho discurso 'casa grande e senzala' aliviado por nuances cantadas em verso e prosa neste país do futuro liderado por uma elite vergonhosa (mas não envergonhada por seus atos).

Ao reportar sobre a festa do lançamento da candidatura de Serra (que impressionou pela falta de organização,  pela confusão e pelo desbragamento nos discursos incomum entre tucanos), Cantanhêde citou o comentário de um 'assessor veterano' do PSDB que afirmou que o partido estaria virando um partido de massas, mas de 'massas cheirosas'. Completando, a colunista disse que os ônibus que trouxeram os partidários eram 'novinhos'. A colunista da Folha reproduziu a expressão - 'massas cheirosas' - como que saboreando as palavras, tal qual  o faria uma dondoca num evento do Jockey Clube de São Paulo ao passar a receita de um bolo para as colegas de bonança. Mas Cantanhêde não é dondoca, ela está mais para porta-voz de setores da direita que tem encontrado em veículos de comunicação, principalmente nos de São Paulo e Rio de Janeiro, um canal de divulgação de seus ideais antiquados, ultrapassados, que evocam tempos do atraso social e econômico, onde apenas poucos tinham acesso a serviços básicos assegurados por lei para todos.

Nas palavras entusiasmadas de Cantanhêde temos o ressussitar da mentalidade tacanha e opressora vinda desde os tempos das capitanias hereditárias, passando pelos senhores de engenho, chegando até os coronéis eletrônicos gerindo seus currais eleitorais.  Em suas palavras bucéfalas poderemos encontrar o suporte para os argumentos que fazem do Brasil um dos mais injustos em distribuição de renda no mundo.  No discurso 'figueirediano' do assessor tucano que   Cantanhêde reproduziu com prazer  há a personificação jocosa do desprezo e da insensibilidade elitista. Há a elite cheirosa, há os cavalos do jóquei (que devem ser tratados melhor do que o povo) há o povo - supostamente mal cheiroso. Cantanhêde faria melhor se apenas trocasse receitas de bolo no Jockey Clube. Mas evidente ela não faria o bolo, isso é trabalho de povo, das empregadas que viajam duas horas para chegar ao trabalho como sardinhas em lata nos ônibus velhos - ou como cavalos indo para o Jockey Clube.   

Foi dado o início para a corrida  presidencial. Isso é apenas uma pequena amostra do que vem por aí. Que possamos votar não como quem faz uma aposta, mas como quem faz algo consciente e que mudará - ou não - nosso futuro como país.


Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/videocasts/ult10038u719002.shtml

4 de abr de 2010

Eduard Khil, ou 'o homem mais feliz do mundo'

O título pode sugerir alguém que tenha ganho algum prêmio de loteria, ou então que tenha achado a sorte grande nos negócios ou que tenha conseguido algo mais pessoal como a conquista (ou a reconquista) da pessoa amada. Entretanto nenhuma destas possibilidades descrevem o que está por detrás das palavras do lead. Na verdade Eduard Khil é um cantor russo aposentado de 75 anos, ex-barítono e viajou por vários países em turnês de apresentações. Num período de cerceamento de liberdades ele desenvolveu sua arte na medida do possível, possível este determinado pela mente burocrática e opressora dos líderes da antiga União Soviética.

Eduard Khil  está num vídeo do site Youtube . Ali está o clipe onde ele canta uma música   nos anos setenta para a TV estatal soviética. 'Eu  estou tão feliz por finalmente voltar para casa', é uma música original americana que retrata a vida  de um caubói. A letra não teria  nada de excepcional e diz: 'Eu estou montando meu cavalo mustang nas pradarias, enquanto minha adorada Maria está a milhas de distância costurando minhas meias'. E nesta letra singela que o viés burocrático  da ex-União Soviética se mostrou latente - a ponto de censurarem a letra da música por ser  uma 'canção de faroeste' (lembremos que Estados Unidos e União Soviética foram forças opostas na 'Guerra Fria', movimento armamentista pós Segunda Guerra Mundial e que acabou apenas com o desmanche do bloco soviético liderado pela Rússia; daí a justificativa da censura, que na cabeça dos burocratas russos seria uma 'exaltação' à cultura americana, ...)

Restou então para Khil gravar o clipe da música apenas 'cantarolando' sem referir-se à letra então censurada. Talvez em épocas recentes, principalmente no 'mundo ocidental' liderado pelos Estados Unidos o clipe passaria despercebido. Afinal, não havia esta certa pasteurização da música pop,  e não havia divas que parecem saídas do forno no esquema Lady Gaga ou Beyoncé que ditassem tendências na indústria fonográfica. O que chama a atenção é a originalidade da canção, a técnica, o fato de um cantor erudito tentar expressar algo através de uma canção censurada apenas cantarolando, tentando emocionar o espectador.

E isso Eduard Khil parece que conseguiu vários anos depois de gravar o clipe. O elegante barítono virou hit na internet. Antes de saber da fama inesperada e tardia, seu neto chegou em casa cantarolando a música - também conhecida como 'Trololo' - e, questionado pelo avô barítono, o garoto disse que estavam todos cantando sua música da net, fazendo versões, paródias. Era o começo do 'estrelato tardio' de Khil. Os acessos de seu 'hit cantarolado' atingiram  a casa dos milhões em pouco tempo. Versões da canção em estilos diversos como 'dance-music' assim como a venda de camisetas com a estampa do cantor russo podem ser adquiridas pela internet.

O cantor russo disse em entrevista ao canal de notícias Russia Today que passou a adorar a internet, pois ela possibilita um 'encontro de gerações'. Khil parece estar certo, e este episódio traz inúmeras reflexões sobre nossos conceitos de liberdade individual, liberdade de expressão, divulgação de conhecimento, ideologias políticas, censura, manipulação midiática, enfim, um apanhado de temas que muitas vezes tem suas essências pouco analizadas por nós. Seria um bom momento de pensarmos sobre estes temas. Mas, é claro, ouvindo 'Trololo', ou a canção do 'homem mais feliz do mundo'.

Fontes:

Cartão Verde para Armando Nogueira


Armando Nogueira (1927-2010) atravessou duas épocas distintas do jornalismo: viveu numa época dourada, representada em parte significativa pela imprensa carioca. Trabalhou  com jornalistas - escritores de renome como Nelson Rodrigues,  Paulo Mendes Campos , Fernando Sabino,  Rubem Braga em veículos históricos numa convivência harmônica, quando o jornalismo permitia uma certo flertar com  a literatura  e este texto jornalístico/literário dava o tom  nos textos árduos das notícias do cotidiano. O Brasil ainda acreditava ser o país do futuro, tínhamos uma visão romântica de nossa sociedade, escondíamos - ou fingímos não ver as mazelas históricas vindas desde os séculos  de colonialismo e escravismo patrocinadas por  uma sociedade estratificada, hierarquizada, opressora e  corporativista. A capital do país, o Rio de Janeiro ditava tendências, modas, era o centro cultural e político nacional. A Bossa Nova veio compensar a aura que foi perdida devido à mudança da capital para Brassília e por certo tempo a Cidade Maravilhosa pode sustentar o seu  ego e sua economia.

Mas vieram os tempos difíceis pós-64 e tudo mudou. A liberdade foi  reduzida e em alguns casos a censura fez esta palavra 'liberdade' - hoje tão banalizada - em algo precioso, fosse ela liberdade de expressão, de pensamento, cultural, política. Mais de vinte anos se seguiram de retenção de liberdades que nos custam problemas até hoje, o país se desenvolveu apenas para parte da população, excluindo milhões do progresso humano, social e econômico.

Armando Nogueira seguiu sua carreira jornalística  na televisão, notadamente na Rede Globo onde criou o 'Jornal Nacional'. Levou para o jornalismo da emissora  sua tendência poética que ia ao encontro da ideologia de Roberto Marinho e seu jeito de fazer jornalismo 'morno', sem querer expor diretamente ao leitor - e ao espectador - o que havia por detrás das entrelinhas editoriais. Neste ambiente, Nogueira pode desenvolver e profissionalizar o ofício de jornalista que foi essencial para o fortalecimento institucional da emissora de Marinho, tanto por afinidade como por dever de ofício.

Nesta atmosfera, Nogueira liderou o 'JN' com seu jornalismo perfumaria, manipulado pela censura dos militares apoiados pelo dono da Globo. O jornalismo da emissora foi um laboratório de intervenções onde o interesse pessoal superou o papel de um veículo de comunicação - o de informar, formar opiniões, conceitos, de ser isento, apartidário, de ser democrático e mostrar a realidade mesmo sabendo o custo que isso irá causar. Foram vários episódios ligados aos veículos de Marinho (Rede Globo e Jornal O Globo), que os acusam de manipulação de informações visando interesses imediatos, até mesquinhos, numa mistura nefasta entre o público e o privado. Lembremos do caso da manipulação de dados das pesquisas de boca de urna nas eleições de 1982 quando Leonel Brizola (inimigo ferrenho de Marinho) venceu, além da manipulação na edição do debate da eleição à presidência em 1989 onde Lula foi prejudicado em favor de Fernando Collor - preferido das Organizações Globo.

Este episódio foi o fim da era ' Armando Nogueira' no comando do jornalismo da emissora de Marinho. Nogueira criticou a edição imposta  do debate Collor x Lula exibida no JN o que lhe custou o cargo. Mas mesmo sem Armando e sua poesia jornalístca, a emissora carioca continuou sua sina de maquiar a realidade em favor de 'x' ou 'y' num coronelismo eletrônico que somente encontrou paralelo nas empresas de comunicação do norte e nordeste brasileiros - lugares com seu 'jornalismo cabresto' favorecendo os donos destas empresas - geralmente políticos a serviços de oligarquias familiares.

É difícil afirmar se Armando Nogueira foi responsável pelo status que a emissora de televisão que mais cresceu no regime militar atingiu. É certo afirmar que a Globo e seu jornalismo parcial seria a Globo de hoje com ou sem Nogueira, mas o que favoreceu sua permanência há tanto tempo como diretor de jornalismo foi a já citada empatia patrão - empregado, emissora - jornalista. Hoje, após sua morte, circulam por aí textos de ex-subordinados fazendo uma leitura piedosa de Nogueira, que mesmo reverendicando  o jornalista, o acusam de ter sido conivente com o regime. E estes que o criticam, não eram de certa maneira coniventes também? Algum deles foram jornalistas por anos a fio da Rede Globo e atualmente sob o manto protetor desta nova Vênus midiática chamada Edir Macedo, destilam uma independência  que não tiveram coragem de fazer em tempos de vacas magras.

Nogueira após sair da 'Vênus Platinada' seguiu outros caminhos, entre eles na TV Cultura de São Paulo onde participou do 'Cartão Verde', programa de debates esportivos de domingo à noite, onde o enfoque era dar à mesa redonda um ar de elegância e refinamento, destoando dos tradicionais formatos pautados pela paixão exacerbada e por partidarismos de jornalistas. Ele numa entrevista explicou que no futebol havia o cartão amarelo para advertir e o cartão vermelho para punir o atleta com sua saída. Daí o nome da mesa redonda 'Cartão Verde' onde o atleta, o esporte seriam brindados com este cartão inexistente no futebol, um cartão que mostraria o lado bom, poético, singelo da pratica esportiva mais popular do mundo. Bem adequado à característica jornalística de Nogueira que foi literária, poética, simbólica, com  metáforas, paradoxos, enfim um apuro esquecido nos textos e imagens contemporâneas que chegam até nós. Nogueira foi o último representante da safra romântica de jornalistas que poderia ser classificada como 'Bossa Nova'.  E pegando de empréstimo esta tendência, aqui vai um 'Cartão Verde' para Armando Nogueira, o jornalista das metáforas.

7 de mar de 2010

José Mindlin, os livros e a mídia


José Mindlin (1914-2010) foi uma exceção num país que não preza a leitura - e que  quando o faz,  faz de modo equivocado. Um exemplo raro na plutocracia (classe capitalista) de apreço pelos livros. Ele foi na contramão de seus colegas de classe social abastados. Em vez de sair mundo afora procurando obras de arte, quadros, móveis usados por estadistas europeus de séculos passados, ele viajava para comprar livros raros. Seu  qualificação como apreciador de livros recebia um nome estranho: bibliófilo.

A TV Cultura reapresentou esta semana uma entrevista  com José  Mindlin  no 'Roda Viva'  feita em 2006 como  homenagem  ao colecionador. Ali ele contou como começou sua coleção, os percalços para conseguir obras raras em sebos. Contou também algo sobre sua vida empresarial na Metal Leve, empresa metalúrgica do ramo automobilístico. Houve espaço também para anedotas. Entre elas, contou o episódio onde ladrões entraram em sua biblioteca e ele quis oferecer um emprego em sua empresa. Outra, quando estava numa livraria, ouviu de uma senhora da alta sociedade um pedido inusitado: ela queria comprar uns livros para preencher sua prateleira, pois iria receber uma visita ilustre e não queria passar vergonha.  Antes de morrer, Mindlin doou  sua coleção para a Universidade de São Paulo que está digitalizando o acervo. A biblioteca com seu nome não ficou pronta ainda e o homenageado não pode vê-la como a viu no projeto.

O livro, que muitas vezes é tranformado num objeto de fetiche entre nós, teve para Mindlin uma função diferente. Ele dizia que a biblioteca não era sua e sim um bem coletivo. ´"A gente passa, os livros ficam", dizia. Sua entrevista para a TV Cultura foi um dos raros momentos onde a leitura  e os livros foram o foco central  e isso de modo bem sucedido. Isso talvez porque ele não fosse escritor. Era um leitor. Geralmente entrevistas com escritores são maçantes, há uma luta entre entrevistador e entrevistado - no caso o autor. Há egos e esquisitices. Isso sem falar nos programas literários que pecam pelo excessivo didatismo - a TV Cultura por exemplo tem o soporífero 'Entre Linhas' (de entrevistas com autores) e o 'Tudo que é sólido pode derreter' (destinado ao público adolescente). Mas na entrevista com José Mindlin, o hábito de leitura foi realmente valorizado, sem as afetações frequentes, vistas quando a televisão aborda o tema literatura e livros. Espera-se que o exemplo de José Mindlin de apreço pelos livros não fique apenas no nosso  imaginário de extravagâncias, mas que colabore para que novos apreciadores da leitura e dos livros surjam no nosso país.

28 de fev de 2010

Coronelismo eletrônico em São Paulo


Se São Paulo sempre se orgulhou de ter uma mídia de certa forma independente do poder político, este orgulho deixou de existir nos últimos tempos, principalmente na administração do governador José Serra. Sob sua liderança, o governo do estado mais rico do país esbanja verbas públicas em publicidade em diversos órgãos de imprensa, principalmente rádio e televisão. É impossível ficar meia hora acompanhando estes veículos sem se deparar com a frase 'São Paulo é um estado cada vez melhor' - o slogan atual da administração. Serra gastou  cerca de R$ 227.000.000,00 em publicidade no ano de 2009. São propagandas ressaltando as obras do metrô, do rodoanel, da educação - que diga-se de passagem está sucateada, entre outros feitos da administração.

Entretanto esta publicidade substancial não é apenas para a divulgação das obras do governo Serra - que afirmou recentemente que os tucanos não são muito dados à publicidade. (devemos lembrar que nos kits escolares entregues em 2009, todo o material mostrava o logotipo do governo do estado e seu slogan citado acima). José Serra, com seu estilo personalista e que chama para si toda as virtudes de sua equipe, pede contrapartida à imprensa paulista pelo investimento financeiro através da publicidade. Nunca se viu tanto partidarismo em veículos de comunicação paulistas, historicamente associados à pluralidade de idéias e tendências. Temos a Folha com seus deslizes em afirmar que a ditadura militar fora uma 'ditabranda', temos Veja numa explícita proteção à Serra nos recentes episódios onde foi acusado de incompetência administrativa (desabamento da construção da estação Pinheiros do metrô, desabamento do viaduto em construção do rodoanel metropolitano, transbordamento do rio Tietê). Temos ainda a  Rede Globo em sua já conhecida parcialidade discreta na voz de seus comentaristas políticos e econômicos.

Todos estes fatores serão lembrados nestas eleições próximas, não só pelos eleitores, mas também pelos telespectadores, ouvintes e leitores. Cada vez mais o leitor paulista deixa de acreditar que os veículos de comunicação locais sejam tão isentos quanto se faziam crer há tempos atrás. E o leitor que também é leitor e telespectador parece estar reagindo a este coronelismo eletrônico paulista. Podemos deduzir isso pelos números atuais baseados na queda de tiragem de grandes jornais paulistas (Folha e Estadão) e na queda de audiência de alguns veículos como TV e rádio paulistas antes líderes de audiência.  Isso é um indicador de mudança de mentalidades, que o eleitor-leitor-telespectador não se deixa mais manipular pelo marketing, quando sabe que os serviços públicos mais essenciais não condizem com a excelência mostrada nos jingles radiofônicos, nas páginas dos jornais e revistas ou nas milionárias campanhas televisivas.