14 de out de 2013

Etnias e culturas

Muita coisa equivocada se diz sobre a questão étnica no Brasil. Um dos argumentos mais impressionantes (e com certeza um pensamento preguiçoso) é de que a discriminação, junto com o racismo, seria algo ''da cabeça das pessoas'', pessoas essas, evidente, que fazem parte do lado desfavorável das relações sociais, econômicas e étnicas do Brasil. Ou seja, se uma pessoa se sente discriminada por sua cor/etnia, essa percepção/sensação se daria mais por um estado psicológico da parte ofendida — uma espécie de defesa, um complexo — do que por um sistema simbólico injusto de um país que foi um dos últimos a abolir a escravidão no mundo.

Nós somos seres racionais, naturalmente. Evidente que uma ação, ideia ou ideologia se dá inicialmente no campo da construção de sentidos para depois partirmos para o campo pragmático. Tudo ''vem da mente'', isso é óbvio. Mesmo na área do Direito, onde se julga um assassinato, por exemplo, se observa e se analisa se houve ou não a intenção (ideia) de se matar, sendo algo sempre muito subjetivo na análise das intenções do réu, e daí se parte para a valoração moral que foi, essa sim, construída em sociedade (assim como a simbologia de racismo e superioridade nas sociedades) e essa mesma moral será utilizada para que se puna o culpado pelo ato concreto. No Brasil, quando se fala de injúria ou preconceito racial sempre partimos da premissa (senso comum) de que isso é algo subjetivo, mas na verdade é concebido por meio da construção de sentidos em conjunto com a sociedade.

Daí o absurdo de se dizer que o ''racismo está na cabeça das pessoas'' - seria o mesmo que dizer que ''a defesa da pedofilia está na cabeça dos pedófilos'' ou que ''o nazismo está na cabeça das pessoas nazistas'', sendo que essas ideologias partiram obviamente de ideias (ou da mente) de certos indivíduos, mas que precisam de todo um referencial simbólico e cultural para que sejam disseminadas por todas as sociedades, incluindo publicidade, produções artísticas, livros, etc.

Em alguns setores da mídia — televisão, cinema, publicidade — há, mesmo que de modo não intencional, a construção social do ideário de ''eugenia estética'' — um dos mais elementares instrumentos de afirmação do racismo. Em tempos de pré-racismo científico, o escritor francês Montesquieu (1689-1755) dizia que os negros não poderiam ser considerados gente, pois Deus não seria capaz de colocar alma em pessoas como eles (ele usava o argumento estético para argumentar seu ponto de vista). Isso é um argumento de segregação, pois ainda não havia os tais estudos que tentavam demonstrar a superioridade racial no mundo do século 19. E mesmo estando em uma era pós-racismo científico — onde se media a capacidade mental das pessoas usando a fita métrica (!) — ainda continuamos com o argumento de estética étnica superior/inferior em nossa sociedade e em seu imenso espelho deformado da mídia.

No Brasil a televisão, principalmente, tem papel preponderante na construção da identidade nacional, identidade que todos sabemos é pautada pela tendência prioritária ao padrão estético importado, tanto na utilização de atores, quanto na referenciação de gostos nos mais diferentes campos, como música, cultura ou mesmo a moda. E assim não é difícil deduzirmos que não há, sob essa diretriz, muitas vezes imposta pelo monopólio da televisão, a possibilidade de escolhas de referenciais por cada pessoa em específico para que haja a percepção de uma adequabilidade e construção de uma identidade pessoal, algo geralmente citado por defensores do argumento de que não há discriminação racial no país. Dizer — usando a justificativa subjetiva — que o racismo é a construção do pensamento ''de cada um'' é o argumento mais pueril que se pode ouvir de uma sociedade (do latim socius = ''companheiro'') que, — como o próprio nome já diz — tem a significação gregária e que não geraria uma ''idiossincrasia étnica'' que mudaria de critério e de cor de acordo com o pensamento individual.