10 de jan de 2015

Eu não sou Charlie Hebdo

David Brooks

(Nota: o autor traz um texto que mostra o teor de superestima do humor como ferramenta de desconstrução de grupos, religiões, tabus ou instituições, algo visto na defesa da liberdade proposta pelo semanário Charlie Hebdo. Mesmo sendo um contexto como os EUA, o argumento também pode ser válido para o Brasil, um país com recente tradição democrática e onde tem crescido a visibilidade de comentaristas, jornalistas, humoristas e analistas que provavelmente se sentariam na ''mesa infantil'' proposta pelo autor, ao lado da ''mesa adulta''. O traço comum entre todos eles é a reivindicação de uma outorga de seriedade e respeitabilidade que não possuem e que dificilmente conseguirão ter.)

Os jornalistas do Charlie Hebdo estão sendo agora celebrados como mártires defensores da liberdade de expressão. Entretanto, vamos ser realistas: se eles tivessem tentado publicar seu jornal satírico em qualquer campus de universidades americanas nas últimas duas décadas, ele não teria durado 30 segundos. Os alunos e grupos da faculdade teriam lhes acusado de discurso de ódio e a administração teria cortado o financiamento e fechado-lhe as portas.


A reação pública ao ataque em Paris revelou que existem muitas pessoas que são rápidas para mitificar aqueles que ofendem os pontos de vista dos terroristas islâmicos na França, mas que são muito menos tolerantes contra aqueles que ofendem seus próprios pontos de vista domésticos.

Observe todas as pessoas que reagiram de forma veemente às pequenas agressões dos campi de universidades. A Universidade de Illinois demitiu um professor que ensinou a homossexualidade sob a perspectiva da Igreja Católica. A Universidade do Kansas suspendeu outro professor por ter escrito um duro tweet contra a N.R.A (Associação Nacional do Rifle dos EUA). Já a Universidade Vanderbilt desautorizou um grupo cristão que insistia que a instituição deveria ser dirigida por cristãos.

Os norte-americanos podem aclamar o Charlie Hebdo por sua coragem em publicar cartuns ridicularizando o profeta Maomé, mas se Ayaan Hirsi Ali for convidada nas universidades, sempre haverá justificativas para negar-lhe um lugar de destaque. (N.T.: Ayann Hirsi Ali é uma escritora somali naturalizada norte-americana defensora dos diretos das mulheres e ateia).

Este pode ser então um momento de aprendizagem — enquanto estamos aterrorizados pela carnificina sofrida pelos escritores e editores em Paris, é um bom momento para termos uma proposta menos hipócrita em relação a nossas próprios ícones controversos, provocadores e satíricos.

A primeira coisa a dizer, eu imagino, é que independente do que você tenha postado em sua página do Facebook ontem, é equivocado para a maioria de nós dizermos Je suis Charlie Hebdo ou Eu sou Charlie Hebdo. Na verdade, nós não somos comprometidos com o tipo de humor estritamente ofensivo que aquele jornal é especializado.

Podemos partir do seguinte princípio: quando você tem 13 anos, parece desafiador e provocativo ''impressionar a burguesia'', apontar o dedo no olho da autoridade ou ridicularizar as crenças religiosas de outras pessoas.

Mas depois de certo tempo isto parece pueril. A maioria das pessoas vai contra pontos de vista mais complicados e tem uma percepção mais tolerante para com outros — o ridículo se torna menos engraçado quando você fica mais ciente de seus recorrentes atos ridículos. Grande parte de nós tenta mostrar um pouco de respeito por pessoas de diferentes credos e religiões, em um esforço de iniciar conversações ouvindo em vez de insultar.

E, ao mesmo tempo , grande parte de nós sabemos que os provocadores e outras figuras bizarras constituem personagens importantes. Os satíricos e zombadores expõem nossas fraquezas e vaidades quando nos sentimos orgulhosos, ridicularizam a auto-glorificação do sucesso e sublimam as injustiças sociais desmascarando os poderosos. Quando eles são eficazes, nos ajudam a direcionar nossos pontos fracos em conjunto, já que o riso é um dos maiores incentivadores de coesão social.

Além do mais, os provocadores e zombadores expõem a estupidez dos fundamentalistas, que são pessoas que consideram tudo de modo literal. Estes são incapazes de ter pontos de vista divergentes, e não veem que enquanto suas religiões podem merecer a mais profunda reverência, é verdade que a maioria delas são um pouco obscuras. Os humoristas expõem aqueles que são incapazes de rir de si mesmos e ensinar para nós o que provavelmente deveríamos fazer.

Resumindo, ao nos lembrarmos sobre os provocadores e debochados, queremos manter os padrões de civilidade e respeito e ao mesmo tempo dando espaço para estas pessoas criativas e desafiadores que são não são inibidas pelas boas maneiras e pelo bom gosto.

Se você tentar conduzir este equilíbrio com leis, códigos de expressão e banimento de comentaristas, terminará com a censura pura e simples e um diálogo reprimido. É quase sempre um equívoco instigar a repressão de opinião, criando legislações com a segregação dos comentaristas.

Felizmente a conduta social é mais maleável e flexível do que leis e regulações. A maioria das sociedades tem mantido, com sucesso, padrões de civilidade e respeito enquanto mantém abertos caminhos para aqueles que são engraçados, incivilizados e ofensivos.

Em muitas sociedades existe a mesa dos adultos e a mesa das crianças. As pessoas que leem o Le Monde e outros jornais, estão na mesa dos adultos. Os bufões, piadistas natos e pessoas como Ann Coulter e Bill Maher estão na mesa infantil (N.T.: Ann Coulter é uma autora conservadora norte-americana e Bill Maher é um apresentador de talk-show americano que é defensor e usuário da maconha). Eles não têm assegurada a plena respeitabilidade, mas são ouvidos porque em sua artilharia, por vezes, dizem coisas necessárias que ninguém mais está falando.

As sociedades tolerantes, em outras palavras, não reprimem a opinião, mas outorgam diferentes padrões para diferentes tipos de pessoas. Notáveis e conceituados professores são ouvidos com respeito. Os satíricos são ouvidos com um semi-respeito confuso. Os racistas e antissemitas são ouvidos por meio de um filtro de opróbrio e desrespeito. As pessoas que querem serem ouvidas atentamente têm que conquistar o respeito através de suas condutas.

O massacre no Charlie Hebdo deveria ser uma ocasião para o cessamento de legislações sobre opinião. E isto deveria nos lembrar de sermos legalmente tolerantes contra vozes ofensivas, mesmo quando se é socialmente discriminador. 

(Traduzido por Marcos Vinícius Gomes)