25 de abr de 2010

O sutiã e a sustentabilidade

Há alguns anos atrás a televisão brasileira tinha na publicidade veiculada nos intervalos de seus programas um teor de criatividade muito mais eficiente do que o atual. Poderia haver menos recursos tecnológicos para filmagens ou ainda poucos efeitos especiais disponíveis numa época pré-internet. Mas mesmo assim os comerciais dialogavam com o telespectador de modo único, fazendo parte até mesmo da cultura nacional. Inúmeros comerciais daqueles tempos com seus slogans e jingles ficaram na memória dos telespectadores-consumidores de produtos e serviços veiculados. 

A publicidade valia-se de slogans criativos e marcantes que podiam ser notados em frases como 'bonita camisa, Fernandinho', passando pelo anti-caspa 'parece mas não é', ou o bancário 'o tempo passa, o tempo voa'. Somado a isso, havia um repertório de personagens - sim, a publicidade teve em momentos passados uma característica narrativa - que perduraram por anos e ainda são citados por aí. Havia o detetive do aditivo automotivo que procurava a 'gangue' de malfeitores que 'danificavam o motor do carro', num ótimo exercício de personificação. Também havia o 'comercial dos mamíferos' com crianças representando filhotes de mamíferos - um clássico da publicidade nacional. E finalizando temos o internacionalmente premiado 'comercial do primeiro sutiã' onde a protagonista - também conhecida como 'a garota do primeiro sutiã' representava a fase de transição para a idade adulta de inúmeras adolescentes, numa peça publicitária que ficou marcada pelo teor poético e singelo, mesmo numa época já de costumes liberais.

Entretanto os tempos são outros, os comerciais não tem mais jingles criativos, personagens, ou slogans que adentrem no dia a dia do idioma. Agora existe uma estagnação na criatividade, onde poderíamos citar os bancos e suas mensagens de 'sustentabilidade' que de certa maneira são insustentáveis, bastando observar as filas enormes nas agências com um consequente aumento no consumo de ar condicionado, não condizendo com as frases 'nós nos importamos com o meio ambiente'. O mesmo vale para a indústria automobilística que, sem nenhum constrangimento toma o discurso ambientalista em suas propagandas - basta lançar um carro com o selo 'eco' e a empresa se tornará 'amiga da natureza'. Isso não citando as propagandas com animais silvestres correndo ao lado dos carros ou, mais insensato ainda, carros urbanos transitando em local improváveis, tais como regiões montanhosas, riachos, trilhas. 

Existem inúmeros outros aspectos que facilmente são percebidos num comparativo entre a propaganda de tempos não tão distantes com a contemporânea. Nem na parte musical há cuidado, não existem mais canções bem elaboradas, pega-se uma música (internacional principalmente) e em trinta segundos tenta-se vender produtos e serviços com pinceladas de discursos esquisitos. Não há mais personagens consistentes em peças publicitárias. Não há mais espaço para a 'garota do primeiro sutiã' e a descoberta do novo mundo feminino representado pelo acessório que representa como poucos a feminilidade. Há apenas a pseudo-sustentabilidade em serviços e produtos e uma feminilidade forçada, que não reflete o caráter da mulher de modo real. Não que eu despreze o pensamento ecológico, mas penso que havia um aspecto duradouro nas mensagens publicitárias de antes. Trocaram o sutiã pela sustentabilidade falsa. E entre os dois, fico com o primeiro.

Fontes:

7 comentários :

André San disse...

É um assunto interessante. Realmente as marcas e jingles que se perpetuaram são bem antigas. Não se vê o mesmo acontecer hoje em dia na propaganda brasileira. Mas fica a questão: será que os comerciais como eram feitos anos atrás funcionariam hoje em dia? Não sei. Tenho por mim que eram épocas mais "inocentes", onde era muito mais fácil cativar e permanecer no imaginario coletivo com canções simples, ideias de fácil identificação etc. Estamos numa era de informação instantânea, e isso se reflete também na publicidade. Creio que são outros tempos, e não que a publicidade esteja menos criativa. O Brasil continua produzindo excelentes campanhas publicitárias. Abraço!
André San, www.tele-visao.zip.net

Marcos Vinicius Gomes disse...

André,
é mesmo, não haveria mais espaço para a mesma escola, mas pelo menos os publicitários poderiam apelar menos para fórmulas prontas em seus trabalhos. Abraços

Eduardo Montanari disse...

Eu me lembro desses comerciais e ao lembrar, volto aos meus tempos de efebo, anos 80, 90... O comercial da pipoca com guaraná.
Hoje em dia o que mais se vê são comerciais de serviços para celular, baixar músicas, jogos, horóscopo. Tudo ficou uma droga.
A tecnologia tira muito a graça e o valor artístico das cousas. Não vejo graça nenhuma em ver um absorvente feito em animação, desfolhando-se da tela para mostrar suas camadas muito mais protetoras.

Armando Maynard disse...

Caro Marcos, você faz uma observação interessante.Para mim o comercial que marca e fica continuará sendo o que emociona. No fim todos os comerciais estão preocupados é em convencer o consumidor a comprar o que não precisa. Aproveito para agradecer os comentários no "MD". Um abraço, Armando.

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Ontem mesmo comentei aqui em casa a respeito.. Não há mais propagandas criativas e que causem impacto.. A exceção fica com a Devassa pela polêmica que girou.. Abraços, Fabio www.fabiotv.zip.net

Marcos Vinicius Gomes disse...

Eduardo, você disse tudo, se os serviços oferecidos fossem bons, até passava...

Armando, é verdade é um comercial emocionante mesmo, volte sempre!

Fábio, a Devassa foi mesmo polêmica, tanto que até tiraram do ar, ficando apenas na net...

Tânia Marques disse...

Tem um selo para o teu blog lá no Palavras e Imagens.
http://www.marquesiano.blogspot.com
Parabéns!
Beijos.