14 de out de 2013

Etnias e culturas

Muita coisa equivocada se diz sobre a questão étnica no Brasil. Um dos argumentos mais impressionantes (e com certeza um pensamento preguiçoso) é de que a discriminação, junto com o racismo, seria algo ''da cabeça das pessoas'', pessoas essas, evidente, que fazem parte do lado desfavorável das relações sociais, econômicas e étnicas do Brasil. Ou seja, se uma pessoa se sente discriminada por sua cor/etnia, essa percepção/sensação se daria mais por um estado psicológico da parte ofendida — uma espécie de defesa, um complexo — do que por um sistema simbólico injusto de um país que foi um dos últimos a abolir a escravidão no mundo.

Nós somos seres racionais, naturalmente. Evidente que uma ação, ideia ou ideologia se dá inicialmente no campo da construção de sentidos para depois partirmos para o campo pragmático. Tudo ''vem da mente'', isso é óbvio. Mesmo na área do Direito, onde se julga um assassinato, por exemplo, se observa e se analisa se houve ou não a intenção (ideia) de se matar, sendo algo sempre muito subjetivo na análise das intenções do réu, e daí se parte para a valoração moral que foi, essa sim, construída em sociedade (assim como a simbologia de racismo e superioridade nas sociedades) e essa mesma moral será utilizada para que se puna o culpado pelo ato concreto. No Brasil, quando se fala de injúria ou preconceito racial sempre partimos da premissa (senso comum) de que isso é algo subjetivo, mas na verdade é concebido por meio da construção de sentidos em conjunto com a sociedade.

Daí o absurdo de se dizer que o ''racismo está na cabeça das pessoas'' - seria o mesmo que dizer que ''a defesa da pedofilia está na cabeça dos pedófilos'' ou que ''o nazismo está na cabeça das pessoas nazistas'', sendo que essas ideologias partiram obviamente de ideias (ou da mente) de certos indivíduos, mas que precisam de todo um referencial simbólico e cultural para que sejam disseminadas por todas as sociedades, incluindo publicidade, produções artísticas, livros, etc.

Em alguns setores da mídia — televisão, cinema, publicidade — há, mesmo que de modo não intencional, a construção social do ideário de ''eugenia estética'' — um dos mais elementares instrumentos de afirmação do racismo. Em tempos de pré-racismo científico, o escritor francês Montesquieu (1689-1755) dizia que os negros não poderiam ser considerados gente, pois Deus não seria capaz de colocar alma em pessoas como eles (ele usava o argumento estético para argumentar seu ponto de vista). Isso é um argumento de segregação, pois ainda não havia os tais estudos que tentavam demonstrar a superioridade racial no mundo do século 19. E mesmo estando em uma era pós-racismo científico — onde se media a capacidade mental das pessoas usando a fita métrica (!) — ainda continuamos com o argumento de estética étnica superior/inferior em nossa sociedade e em seu imenso espelho deformado da mídia.

No Brasil a televisão, principalmente, tem papel preponderante na construção da identidade nacional, identidade que todos sabemos é pautada pela tendência prioritária ao padrão estético importado, tanto na utilização de atores, quanto na referenciação de gostos nos mais diferentes campos, como música, cultura ou mesmo a moda. E assim não é difícil deduzirmos que não há, sob essa diretriz, muitas vezes imposta pelo monopólio da televisão, a possibilidade de escolhas de referenciais por cada pessoa em específico para que haja a percepção de uma adequabilidade e construção de uma identidade pessoal, algo geralmente citado por defensores do argumento de que não há discriminação racial no país. Dizer — usando a justificativa subjetiva — que o racismo é a construção do pensamento ''de cada um'' é o argumento mais pueril que se pode ouvir de uma sociedade (do latim socius = ''companheiro'') que, — como o próprio nome já diz — tem a significação gregária e que não geraria uma ''idiossincrasia étnica'' que mudaria de critério e de cor de acordo com o pensamento individual.

25 de jul de 2013

Lua cheia 'atrapalha' uma boa noite de sono

Lua cheia pode atrapalhar uma boa noite de sono, acreditam os cientistas


Michelle Roberts, Editora de saúde, BBC News online

Pesquisadores encontraram evidências de uma 'influência lunar' em um estudo com 33 voluntários que dormiram em condições estritamente controladas em laboratório.

Quando a lua estava cheia, os voluntários demoraram para adormecer e tiveram uma pior qualidade de sono, apesar de estarem em um quarto escuro, diz o jornal científico ''Current Biology''.

Eles (os voluntários) também tiveram um declínio do hormônio chamado melatonina, que é ligado aos ciclos do relógio biológico.

Quando está escuro, o corpo produz mais melatonina. E produz menos, quando há luz.

Estar exposto à luz brilhante na noite ou com pouca luz durante o dia, pode quebrar os ciclos naturais de melatonina do corpo.

Entretanto, a pesquisa do professor Christian Cajochen e equipe da Universidade Basel, na Suiça, sugere que os efeitos da lua talvez não estejam ligados ao seu brilho. 

Ritmos lunares

Os voluntários não estavam cientes do propósito do estudo e não podiam ver a lua em suas camas durante as pesquisas no laboratório do sono. 

Cada um passou duas noites distintas no laboratório sob observação atenta. 

Os resultados revelaram que próximo à lua cheia, a atividade do cérebro ligada ao sono profundo caiu aproximadamente em um terço. Os níveis de melatonina também caíram. 

Os voluntários também levaram cinco minutos a mais para adormecer e dormiram 20 minutos a menos quando havia lua cheia. 

O professor Cajochen diz: "O ciclo lunar parece influenciar o sono humano, até mesmo quando não se vê a lua e não se sabe qual é a sua atual fase."Algumas pessoas podem ser extraordinariamente sensíveis à lua, dizem os pesquisadores. 

O estudo não foi feito originalmente estabelecido para investigar o efeito lunar. Os pesquisadores tiveram a ideia de fazer a análise lunar anos atrás, enquanto conversavam e bebiam. 

Eles retornaram a seus antigos dados e calcularam se houve ou não lua cheia nas noites que o voluntários tinham dormido no seu laboratório. 

O especialista britânico de sono, Dr. Neil Stanley disse, entretanto, que o pequeno estudo parece ter indicadores significantes. 

''Existe uma forte anedota cultural em relação à lua cheia que não seria surpreendente se ela tivesse influência." 

"É uma destas coisas folclóricas que você suspeita que tem uma raiz de verdade." 

"Agora a ciência está próxima de descobrir qual é o motivo pelo qual nós podemos dormir de modo diferente quando há lua cheia.''

(Tradução: Marcos Vinícius Gomes)

28 de jan de 2013

Viadutos e boates

Não existem 'ex-honestos'. Ou se é honesto, ou não se é. Existem sim 'ex-corruptos', que por meio da redenção após os erros, podem chegar a esse estágio. Mas para isso não basta o esquecimento, é preciso que haja o reparo e para isso existem leis que protegem a sociedade desse tipo de conduta corrupta. O problema é que a corrupção é endêmica, e no Brasil todos temos o hábito de apontar culpados iniciais, sem percebermos as causas e os efeitos dos acontecimentos que envolvem corrupção. Em Santa Maria, no caso do incêndio da boate Kiss na madrugada de 27/01/2013 e que vitimou 233 pessoas, o que se viu é o resultado da mais pura corrupção da lei, que envolve o público (prefeitura e órgãos fiscalizadores) e o privado (boate, empresários artísticos). Inúmeros indícios mostram isso - irregularidades no funcionamento do estabelecimento, entre elas superlotação e saídas de emergências insuficientes para casos de incêndio, fato que deveria ser fiscalizado pela outra ponta corrompida, o poder público local.

A indústria do entretenimento atual é a antiga 'indústria das empreiteiras', que são lucrativas eleitoralmente tanto quanto construir pontes, viadutos, estradas e túneis e que são ainda fonte de muita corrupção no Brasil. Hoje não há tanto lucro político em mostrar construções de concreto armado, o mais provável é que prefeitos, governadores, principalmente de cidades pequenas e médias, invistam em espetáculos e shows onde essa relação de corrupção aparece. Provavelmente os proprietários da casa onde ocorreu a tragédia de S. Maria tem alto prestígio junto à prefeitura em questão. Donos de casas de shows tem grande movimentação no mundo do entretenimento, sendo alguns deles sócios com artistas e cantores nessas casas. Sendo assim, os prefeitos, na ânsia de conseguir capital eleitoral, tem nos donos de casas de entretenimento aliados importantes para seus intentos. Quem nunca já presenciou ou já foi em um 'show gratuito' em alguma cidade patrocinado pela prefeitura com grande alarde?

Isso talvez explique a negligência na verificação da validade do alvará de funcionamento da boate. O órgão fiscalizador não fez o seu papel, certamente sob orientação superior, a saber, a prefeitura. E isso não tem sido comentado na mídia em geral. Apontam-se culpados isolados, mas sem se atentar para toda essa estrutura de corrupção, do qual, de uma forma ou de outra, estamos imersos. O prefeito da cidade, Cézar Schimer, em entrevistas, apenas faz o de praxe: se exime da responsabilidade, jogando a culpa nos bombeiros. Diz que a casa 'estava liberada' não estando liberada. A boate estava funcionando com o alvará sem valor em processo de renovação desde Agosto de 2012, mas há relatos inciais de que extintores estavam zerados (vencidos) e a casa não tinha saídas necessárias em caso de incêncio. A honestidade (ética) não existiu neste lamentável episódio, então para que se possa reparar o erro irreparável em grande parte impulsionado pela corrupção, que seja aplicada a justiça, não somente apenas judicial, mas a que corrija esse sistema corrupto que tirou a paz de tantas pessoas. Pois sem justiça não há paz, e paz é a única coisa que resta para a remissão de quem teve familiares e conhecidos atingidos pela irresponsabilidade maior do poder público que alimenta toda esta cadeia de corrupção.


http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2013/01/28/boate-kiss-nao-atendia-normas-de-seguranca-diz-engenheiro-do-corpo-de-bombeiros.htm
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/01/28/presos-tentaram-obstruir-ou-manipular-provas-sobre-o-incendio-diz-mp.htm
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1221232-alvara-da-boate-kiss-estava-vencido-desde-agosto-de-2012.shtm
http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/tragedia-desperta-prefeitos-do-brasil-inteiro
http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/tragedia-em-santa-maria/rs-comeca-pericia-na-boate-kiss-em-santa maria,d14c24bd7a08c310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html