27 de set de 2012

As princesas lésbicas contra o rato bronzeado

A mostra War Dirty Tortures do mexicano Rodolfo Loaíza, exposta na galeria La luz de Jesus, em Los Angeles, EUA, pode ser chamada de uma exposição iconoclasta que se utiliza de recursos da pop art para seus intentos. Nela são mostrados personagens de filmes de animação clássicos produzidos pela The Walt Disney Company em cenas consideradas provocadoras. Ali há, por exemplo, personagens femininas que povoam há décadas o imaginário de crianças em diversas partes do mundo em cenas de lesbianismo, consumo de drogas ou em situações de degradação moral. Também compondo esse quadro vanguardista, há um discurso intertextual entre várias produções, onde ícones da cultura pop interagem com as criações de Disney em situações bizarras - há uma ilustração onde Branca de Neve é ameaçada de morte pelo personagem Jason, o serial killer da série de filmes de terror 'Sexta-Feira 13'. Ele, nesse quadro, se prepara para dizimar Branca, após já ter decapitado dois coelhinhos e um passarinho. Não é a primeira vez que personagens Disney são utilizados em projetos de releituras traduzidas em obras de pop art. Essas releituras são as preferenciais quando algum artista vanguardista quer transmitir uma atmosfera de engajamento, questionando a gigante do entretenimento e sua ideologia disseminada em produção cultural de escala internacional. A estética kitsch, essencial nestas situações, é amenizada pelo viés de contestação, na criação da possibilidade de reescrita dos valores arraigados nesses produtos culturais com seus ícones, que na visão do artista, são representações de uma inadequação histórica, algo que não pode, sob um olhar crítico, permanecer intocado. É uma espécie de paródia cínica de uma realidade cultural. 

E em uma primária análise de sua linguagem, a pop art contestadora poderia ser classificada como uma obra partidária do contemporâneo politicamente incorreto, expressão certamente desprovida de significado genuíno assim como o politicamente correto, pois a política (no sentido primeiro dado pelos gregos à essa palavra), visaria o bem coletivo, justo, tendo como por base a ética. Veja que a palavra político, pode ser usada no sentido de alguém cortês, polido, em situações diversas. Uma pessoa politicamente incorreta, estaria fora deste contexto e de qualquer possibilidade de ser considerada ética e justa, desprovida de referenciais necessários para a manutenção da vida política (social) plena. O que sobraria nessa classificação da proposta da arte vista na exposição do mexicano Rodolfo Loaíza, seria a nomenclatura de arte politicamente correta (redundância). Pode ser estranho isso, uma arte que visa chocar ser vista como 'correta', mas é um vetor de um mesmo processo que está constituindo as bases do pensamento correto. Na outra ponta deste vetor, está uma espécie de contrapartida. A arte de Loaíza com seus personagens contestadores não teriam razão de ser se não instigassem no observador de sua arte, o desejo de repulsa que culminaria provavelmente no sentimento de repreensão, censura. Mas não há, no atual  estágio o necessário vigor coletivo para isso, pois alguém que censurasse os intentos do artista, seria tido como retrógrado, ou insensível aos ares democráticos e libertários que a mostra se propõe a trazer. Entretanto a censura deve existir, de modo irrevogável, não neste lado do processo, mas apenas em sentido contrário, onde haveria uma tentativa de reescrita histórica, uma reparação de injustiças, para que a proposta politicamente correta tenha razão de ser em sua essência. Porém, necessário dizer, essa censura é constituída de uma representação que alardeia a justiça e a equanimidade, caso alguém questione os meios para que se chegue a esse resultado equânime por meio da patrulha e do cerceamento de ideias, indispensáveis aqui.

É o que ocorre no impasse do personagem de desenhos animados Speedy Gonzales (no Brasil conhecido por Ligeirinho) que foi banido do canal Cartoon Network americano, em uma orquestração de censura visando satisfazer as diretrizes do politicamente correto em voga nos EUA. O personagem da Warner Bros, outra gigante do entretenimento, foi enjaulado por conter, segundo a relações públicas da CN Laurie Goldberg em entrevista ao site FoxNews, mensagens inadequadas para o século 21. E qual seriam essas mensagens? O uso de estereótipos étnicos na construção do personagem de desenho animado. Para Goldberg, é inaceitável o fato de existir um ratinho mexicano que convive com outros ratos (alguns deles que bebem) em aventuras onde os gatos gringos inimigos como Sylvester (no Brasil, chamado de Frajola) são sempre enfrentados com habilidade e inteligência. Nem mesmo a premiação de seu desenho com o Oscar em 1955 e indicações ao prêmio em filmes em 1957 e 1961 foram suficientes para que Speedy fosse liberado da censura no canal para o público americano, o que contemplaria a vontade de centenas de milhares de fãs, inclusive fãs mexicanos. Mas ironicamente, ele não foi banido da versão do Cartoon Network Latin America, direcionado ao público latino, onde é muito popular. Neste caso, o mexicano Rodolfo Loaíza levou a melhor sobre o 'conterrâneo' Ligeirinho. Neste contexto, eles 'formam' forças contrárias, são uma espécie de vetor, um de cabo de guerra que se puxa em apenas um sentido.

Daí a impossibilidade de que se afirme ser o politicamente incorreto a antítese do seu correlato correto. Um mesmo possível apreciador da iconoclastia da exposição War Dirty Tortures que defenda a liberdade de expressão na utilização irrestrita de ícones da cultura pop, dos desenhos infantis em situações de quebra de paradigmas morais, provavelmente seja favorável à censura da exibição de Speedy Gonzales e seu sombrero, juntamente com seus brados de Arriba! Arriba! no Cartoon Network. E este apreciador usaria os argumentos mais desconexos para tal - a preservação das crianças de estereótipos, de situações de violência, de disputa, de concorrência irrestrita entre protagonistas e antagonistas. A censura de um simples personagem de desenho animado seria a reescrita como 'preservação da integridade' das crianças. É uma da pontas do processo, a outra é a tentativa de desconstruir os referenciais que representem a 'cultura indesejável' a ser eliminada (no caso a cultura americana com os personagens Disney). É um paradoxo a situação descrita, ainda mais quando está vinculada às simbologias lúdicas apreendidas pelas crianças. Esse processo de paradoxos politicamente corretos também tem sido visto na justiça - principalmente na brasileira, onde de um lado temos um excessivo instrumental jurídico que favorece de certa forma a não responsabilização de atos infracfionais de menores perante a lei nos mais diversos contextos, sendo que na outra ponta temos o processo de desconstrução das simbologias mais elementares que são a base de uma sociedade justa e que proteja suas crianças e adolescentes. Um exemplo prático de desconstrução de simbologias mais elementares, é a absolvição de um rapaz de 20 anos, acusado de estupro de uma garota de 12, feita pela justiça gaúcha em 2009, sob a alegação de que a garota não era mais virgem quando iniciou o namoro com o jovem maior de idade. Quando existe em um mesmo contexto o nonsense que choca e parece apenas querer desconstruir de modo iconoclástico jogando fora toda uma possibilidade de construção, ao lado de uma certa reescrita das significações de paradigmas justificando-se para isso a reparação de injustiças, temos a mais elementar e contraditória face do politicamente correto.