22 de nov de 2010

O conto de fadas de um mundo sem encanto

O anúncio do casamento de William, príncipe da Grã-Bretanha e Kate Middleton,  colega de tempos de estudante,  foi prontamente associado à uma história familiar semelhante e que teve ampla repercussão na mídia - o casamento do príncipes Charles e Diana, pais do noivo. A união dos pais de William foi pautado por ingredientes que mais se assemelhavam a um relacionamento de pop-stars: o namoro com uma ex-babá e professora, o noivado, o casamento televisionado para um bilhão de telespectadores pelo mundo, as juras de amor eterno acompanhadas com emoção pelos súditos e público em geral que torciam pela felicidade do casal. Diana era adorada por sua singeleza, tinha um apelo popular que incomodava de certa forma a família real, mas  juntamente com Charles formavam um simpático casal que tinha tudo para dar certo. 

Entretanto toda a simbologia de encanto foi se apagando com as crises do casal - Charles tinha um relacionamento paralelo  com Camila Parker, com quem se casou em 2005; este e outros escândalos foram amplamente divulgadas pela imprensa, especialmente pelos tablóides sensacionalistas. Essas crises foram minando a relação e o casamento não se sustentou; já em 1992 estavam separados e a união acabou oficialmente em 1996, um ano antes do acidente fatal com Diana em Paris.  Finalmente terminava, de forma inesperada, uma história de amor contemporâneo que poderia ter acontecido  com  qualquer casal, mas com um elemento que alimentava o imaginário do público e ao mesmo tempo desestruturava a relação - a hiper-exposição na mídia.

Vivemos numa sociedade iconoclasta (do grego eikon=imagem + klaein = quebrar), ou seja, uma sociedade que 'quebra', ataca idéias ou instituições quaisquer que sejam. Após os protestos estudantis de maio de 1968 na França, o mundo e suas instituições foram com mais frequência postas sob contestação, num mecanismo frenético que se repete numa velocidade surpreendente. O casamento, como uma dessas instituições contestadas, vem sendo reinterpretado de sua forma original secular, com a propagação de novos ideais de relacionamento sugeridos como sendo viáveis no mundo contemporâneo. Esses ideais de comportamento são difundidos por sociólogos, historiadores, profissionais da área da saúde como psicólogos e psiquiatras que, em suas análises, propõem uma releitura nas estruturas sociais mais elementares  a começar pela família. A decretação, por parte destes profissionais, do fim do amor romântico, do casamento 'sob o mesmo teto',   são vistos como algo possível e inevitável, visto que numa sociedade que preza a individualidade a níveis extremos como a atual, a felicidade somente se dá quando o indivíduo se autorrealiza plenamente, ou seja, sozinho. E para a divulgação desses ideais, os seus defensores contam com a mídia, grande aliada e incontestavelmente um dos grandes referenciais iconoclastas, que vive de reinventar de tempos em tempos novas estratégias e novos produtos sejam elas comerciais ou culturais para alimentar o público e o mercado publicitário.

Por mais que se afirme que há - e com certeza há -  uma expectativa coletiva para que William e Kate sejam bem sucedidos nessa nova fase de suas vidas, não há também como negar que, como parte de uma estrutura política-midiática, eles correm o risco de terem a imagem  e o futuro casamento abalados pela mídia. Assim como artistas que veem na imprensa uma aliada-inimiga dependendo da necessidade e foco de interesses de ambas as partes, os noivos certamente serão capas de muitas capas de jornais e revistas e terão suas imagens divulgadas em programas em matérias que irão desde atividades corriqueiras até especulações e rumores que fazem a alegria sinistra dos súditos e do público em geral. A monarquia britânica tem sido especialista em protagonizar os piores momentos na mídia. A família real sabe que depende desta estratégia de mão dupla: a mídia britânica a divulga com material farto para suas matérias e a família de Elizabeth II  necessita de publicidade para manter a imagem e resistir aos tempos modernos e não perder a legitimidade. É um sistema de contrários.  William e Kate podem, se quiserem e utilizarem de inteligência, ser um novo marco nesse sistema, não se expondo em excesso, demonstrando transparência, prudência  nas ações do dia-a-dia e não caindo no jogo da mídia  destruidora de ideais e instituições. Se fizerem isso, certamente serão ícones do ideal de amor eterno e um referencial para aqueles que ainda acreditam que a vida a dois é algo possível.


Fonte:

4 comentários :

Eduardo E. S. Prado disse...

Marcos,

Como você muito bem disse, na Inglaterra mídia e família real se alimentam, ou melhor, se devoram.

Quer saber, torço tanto para a felicidade do novo casal real quanto torço pela felicidade daqueles noivos que a gente nem sabe o nome ou a origem, mas vê deixando a igreja, felizes e realizados, nesses sábados da vida. Nem mais nem menos. Nunca fui fã de contos de fadas.

Marcos Vinicius Gomes disse...

Eduardo,

Neste caso, me referi a 'conto de fadas' como algo irreal nos dias de hoje, um relacionamento a dois com algo não condicionado ou artificial. Ou seja, onde, como você disse, os noivos saem felizes e realizados nesses sábados da vida.
Abraços

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Mas a família real agora saiu do foco há algum tempo.. Antes a mídia abusava da cobertura.. Gosto do Príncipe William.. Não gosto é do irmão dele hehe.. Abraços, Fabio www.fabiotv.zip.net

André San disse...

Fora que essa história de família real é algo tão cafona, não? Pra que servem além de manter um status de nobreza tolo ou abastecer notinhas de tabloides sensacionalistas?
André San - www.tele-visao.zip.net