4 de set de 2016

A musa do empreendedorismo de palco

O OXFORD Dictionary of Proverbs traz a frase ''Caesar's wife must be above suspicion'' (''A mulher de César deve estar acima de qualquer suspeita'') atribuída a (segundo Plutarco) Júlio César quando questionado do motivo que o fez se divorciar de sua esposa Pompeia. O motivo seria uma festa dada por Pompeia, exclusiva para mulheres como mandava a tradição — o festival da deusa Bona Dea— mas que havia sido ''visitada'' por um homem intruso (Senador Clodius Pulcher). Júlio César tinha convicção da não veracidade da história, mas mesmo assim, visando sua vida pública, separou-se da mulher. Esta frase é muito utilizada principalmente por palestrantes ilustres do mundo corporativo, que a citam como uma suposta ética necessária entre as relações institucionais das empresas e que seria o mote principal do empreendedorismo, um capital. O capital de Júlio César era a política - tanto que seu casamento era conveniente com sua trajetória e ambições - e daí a justificativa pública de tal ato, que visava apenas a manutenção de seu status político de modo utilitário.

Esta frase dos tempos áureos da antiga Roma poderia ser utilizada também para exemplificar o que está acontecendo com a garota prodígio do empreendedorismo contemporâneo, Bel Pesce. Depois de ter colhido excelentes frutos graças ao uso publicitário da sua própria trajetória de sucesso — cursou ciências exatas no MIT nos EUA e estagiou nas gigantes do Vale do Silício — em palestras, cursos, livros e empreendimentos, parece que agora está acordando de um sonho encantado vivido por ela e vivenciado por seus seguidores e fãs, principalmente os mais jovens. Após uma mal sucedida campanha de financiamento coletivo na internet (crowdfunding) com dois amigos visando a criação de uma hamburgueria, Bel caiu em uma espiral de desgraça alavancada por uma pesquisa feita pelo youtuber e blogueiro Isaías Nobre, conhecido como Izzy Nobre radicado no Canadá há mais de uma década e que quis saber quem era a garota sensação empreendedora alardeada pela mídia tupiniquim.

Cruzando dados da internet, Izzy comparou datas com entrevistas de Bel dadas na mídia nacional nos últimos tempos e constatou que suas assertivas de projetos bem sucedidos não tinham sustentação e que o uso do discurso de empreendedora nata não se encaixava com a realidade. Inclusive há pouquíssimo material sobre a garota em inglês  (lembro-me que pesquisei há três anos atrás e li um texto onde Bel era citada na página da revista do MIT, o texto era sobre projetos ligados ao mundo acadêmico universitário) ; já as supostas empresas start-ups atribuídas a ela eram na verdade projetos onde ela apenas estagiou e não teve poderes empreendedores ali — na start-up Ooyala, por exemplo, ela era, diferente do que fora alegado, gerente de produtos. Em outros projetos pesquisados, não foram encontrados nem resquícios do que havia sido feito (porque eram projetos não deram certo) pela garota do Vale do Silício.

Depois da divulgação da pesquisa feita por Nobre, alguns fatos corroboraram para que a atmosfera de dúvida sobre as competências atribuídas a Bel Pesce crescesse. Textos do UOL sobre a palestrante foram atualizados sem motivo aparente, já outras páginas da imprensa publicaram as tentativas de resposta aos questionamentos das alegadas atribuições e competências de Pesce. Por uma observação parcial, nota-se que Bel Pesce terá muito trabalho para trazer de volta a confiabilidade do público que a tinha como referencial de sucesso e de determinação no mundo dos negócios. Até mesmo a imprensa (a mesma que a colocou no pedestal de musa corporativa) começou a questionar a seriedade de Bel, algo que não seria pensável há tempos atrás.

Vislumbrando o que poderia ser feito para que a imagem de competência, ética e profissionalismo de Bel Pesce seja restaurada, o pensamento que parece mais notório é  qual seria o legado que a garota deixará para o futuro, para seus filhos quando e se os tiver? Será apenas a biografia prodigiosa e agora alegadamente inflada, será uma história de superação da superação(!), ou será apenas uma continuidade da sofisticação midiática, aliada ao marketing pessoal e um pouco de idiossincrasias elevadas ao extremo? Difícil prever, mas podemos analisar o por quê de tal acontecimento. Vemos que a ética parece algo longe do mundo das corporações, quase um tabu. Confunde-se burocracia com ética — ''cumpra prazos'', ''estabeleça metas'', etc, esquecendo-se os gurus do empreendedorismo que por detrás das contingências empresarias há o bom e velho travesseiro, lençóis, amores e dissabores no campo pessoal que refletem (embora os cínicos neguem) na conjuntura profissional.

Eu vejo Bel Pesce como uma nefelibata épica que não vê as contingências pessoais alheias em sua trajetória até agora de sucesso. O egocentrismo tão primordial beira as raias do absurdo, que já é tão absurdo no segmento do empreendedorismo. A empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, falando de modo simples; Bel é simpática mas ''não-empática'', pois constrói uma narrativa pautada apenas em seus devaneios, em sua ética (ou falta de) pessoal. Se ela não é tão ''anti-empatia'' de modo tão incisivo como um Flavio ''Geração de Valor'' Augusto da Silva (aquele que sonha com o dia que a CLT for para o espaço e que fundou uma escola de inglês sem saber nada do idioma) em sua cavalgada insana em busca de destroços civilizacionais em prol de seu ego, Bel não fica muito atrás com a irresponsabilidade de sua conduta. Afinal,  alguém legaria sua imagem como ela fez ao ''pense o que quiseram de mim'' e ficaria confortável com isto? Pois foi isto que fez quando distribuiu o bolo de suas competências pessoais e profissionais infladas que cresceram pela e com ajuda da mídia em geral.

O mundo de Bel Pesce é protoplatônico, é um corolário de intuições vagas e simbologias que fariam Skinner se remover no seu túmulo condicionado. Com Bel Pesce aprendemos a não sairmos da fases primárias do pensamento abstrato, com signos e repetições que nos remetem aos tempos egoístas das fases iniciais da infância. Caderninhos, desenhinhos e gibizinhos que levam aos seus seguidores ao mundo mitológico, pré-lógico, construído pela garota que ''conquistou o Vale do Silício'' — nota-se aqui uma conotação mítica deste slogan — e como recompensa há a construção da resignação tão necessária para o catecismo organizacional que prega inovação mas que quer o mais do mesmo sempre.

Como fiel propagadora da autonarrativa mítica ficam algumas dúvidas. Será que Bel Pesce está preparada para a catarse (lembremos, não há épico sem tragédia), que bate à sua porta? Será que os deuses do empreendedorismo possam estar dormindo? Ou será que Bel Pesce acordará do autoengano de estar acima de qualquer suspeita rumo à real evolução pessoal? Se ela conseguir isso para si, já seria um passo e talvez a reescrita de sua alegada trajetória outrora brilhante e que foi destruída pelo mesmo motivo da queda dos heróis épicos — ganância, irracionalidade e egoísmo. E quanto aos deuses do mercado, na verdade, não existe nenhuma preocupação com toda esta trama de 
ascensão e queda pessoal, pois haverá inúmeras outras Pompeias (ou Béis) a disposição como capital humano para servir aos seus anseios dando continuidade ao show do mundo do empreendedorismo brasileiro.


http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2012/06/01/talento-brasileiro-nos-eua-bel-pesce-da-10-dicas-para-empreender-com-sucesso.htm

http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2016/09/04/ceo-agora-diz-que-pesce-nao-comecou-lemon-mas-pode-ser-chamada-cofundadora.htm
http://www.brasilpost.com.br/2016/08/25/motivos-para-contribuir-com-zebeleo_n_11703244.html
http://www.brasilpost.com.br/2016/09/01/bel-pesce-fatos-_n_11817528.html

Nenhum comentário :